Jazz para todos os gostos no Festival de Baku

Jazz para todos os gostos no Festival de Baku
Direitos de autor  euronews
This content is not available in your region
De  Paul Hackett
  • A batida do Festival de Jazz de Baku voltou a tocar na capital do Azerbaijão, para a edição número 17. O evento procura reunir uma mistura eclética de músicos e bandas de todo o mundo.

Entre os presentes este ano, esteve o compositor e baterista Yogev Shetrit.

Uma das imagens de marca de Shetrit é a fusão dos sons tradicionais norte-africanos e mediterrânicos com o jazz contemporâneo.

Para o público em Baku, houve um extra especial: "Esta noite vamos tocar as minhas próprias composições dos álbuns 'New Path' e 'Serenity'. E também uma composição em homenagem a Aziza Mustafazade, é uma homenagem à cultura do Azerbaijão", disse o músico israelita.

Este ano também esteve presente o Istanbul Quartet de Michael Schiefel.

Inspirado pela cena do jazz de Berlim do início dos anos 90, desde então Schiefel tem trabalhado numa vasta gama de projectos a solo e com a banda, nomeadamente esta mais recente encarnação.

"Conheci os músicos do Istanbul Quartet há alguns anos, quando estava numa residência em Istambul, e são de três países diferentes. Dois são da Turquia, um é da Grécia, e eu sou da Alemanha, pelo que se trata de um projeto multicultural. Eu próprio escrevi toda a música para eles, o que me deixa muito feliz porque toda a música é inspirada pelo tempo que passei em Istambul", lembra Schiefel.

Todos os anos, o festival em Baku tem uma diversidade de músicos a tocar em vários locais da cidade - como esta atuação da dupla italiana Federico Casagrande e Fulvio Sigurtà.

"Eu e o Fulvio conhecemo-nos há quinze anos e começámos a tocar juntos. A guitarra é um instrumento de harmonia e o trompete é um instrumento de melodia, pelo que faria sentido fazer as coisas em conjunto. Ambos escrevemos música para este duo ao longo dos anos, música muito diferente e continuámos a crescer e a tocar juntos desde então", conta Casagrande.

O jazz chegou ao Azerbaijão pela primeira vez no início do século XX. Tornando-se profundamente enraizado na cultura do país, permanece popular até aos dias de hoje.