Maravilhas do Uzbequistão para ver em Paris

Maravilhas do Uzbequistão para ver em Paris
Direitos de autor  euronews
De  Galina Polonskaya

Os visitantes do Museu do Louvre, em Paris, são convidados a uma viagem aos grandes dias da Rota da Seda. "Os esplendores dos Oásis do Uzbequistão: Cruzamentos das rotas das caravanas" é uma exposição que permite aos visitantes experimentar a época gloriosa em que as caravanas vagueavam pela Ásia Central, uma viagem que se estende por mais de 1900 anos.

A maioria destas peças únicas deixou o Uzbequistão pela primeira vez. Um dos tesouros revelados é a porta de Gur-i-Mir, o mausoléu de Amir Timur em Samarcanda.

"Conseguimos recolher as melhores obras de colecções de museus de todo o país, 13 museus estão aqui representados. Há exposições que passaram por uma fase muito longa de restauro no Uzbequistão, na qual os restauradores franceses trabalharam. Há 4 anos que nos preparamos para esta exposição, tendo sido restauradas 70 peças", explica Gayane Umerova, diretora executiva da Fundação de Desenvolvimento Artístico e Cultural da República do Uzbequistão.

A pérola da exposição - apelidada de "Mona Lisa uzbeque" é a "Pintura dos Embaixadores". Conta a história das trocas diplomáticas nos oásis do Reino de Samarcanda, que se situava no cruzamento das rotas das caravanas da Ásia Central. Os embaixadores são vistos a desfilar perante o Rei de Samarcanda.

Frantz Grenet, professor de História e Culturas da Ásia Central Pré-Islâmica, conta-nos a história da pintura: "Na altura em que a pintura foi executada, provavelmente a 21 de junho de 660, o festival de Ano Novo zoroastriano em Samarcanda, a grande festa dos barcos-dragão na China e o solstício de verão caíram no mesmo dia, a coincidência de todos estes festivais de Ano Novo para vários povos serviu para que o rei de Samarcanda mostrasse que era ele quem controlava as rotas da Ásia.

O rei de Samarcanda quis mostrar que era ele quem controlava as rotas da Ásia.
Frantz Grenet
Professor de História e Culturas da Ásia Central Pré-Islâmica

Outra peça preciosa que viajou desde o Uzbequistão são as páginas do Alcorão de Katta Langar. Data de finais do século VII ou inícios do século VIII.

"É um dos Alcorões mais antigos do mundo, apenas 100 anos após o início do Islão, sabemos que foi copiado no Uzbequistão. É agora parte do património mundial da humanidade", explica Yannick Lintz, curadora da exposição.

A estátua de um rei da dinastia Kushan remonta ao século I d.C. As estátuas budistas descobertas no assentamento Dalverzin-Tepe datam dos séculos II e III d.C. Todas estas esculturas são feitas de barro não queimado.

A história do budismo no Uzbequistão foi um dos tópicos do colóquio científico realizado no Louvre à margem da exposição

"Antes do advento do Islão, a religião budista espalhou-se no sul do Uzbequistão. A partir do centro budista da antiga Termez, o budismo foi espalhado para o Oriente, principalmente para a China e para o Ocidente em Parthia", diz Shokir Pidayev, diretor do Instituto de Estudos de Arte da Academia de Ciências do Uzbequistão.

Cerca de 180 obras são expostas, incluindo várias peças de coleções ocidentais como o Livro das Maravilhas, ditado por Marco Polo. O interesse público é extremamente elevado.

"Esta exposição é um momento muito importante e especial para o Museu do Louvre e para o público que vem explorar este famoso cruzamento das rotas das caravanas da Rota da Seda. É uma viagem através de 2000 anos de história, são 19 séculos", diz Rocco Rante, arqueólogo e curador de exposições.

Nas estradas de Samarcanda

Podemos continuar a viagem para o passado do Uzbequistão no Instituto do Mundo Árabe em Paris. A exposição "Nas estradas de Samarcanda: maravilhas da seda e do ouro" mostra a arte de viver e as maravilhas artesanais da corte dos emires no século XIX.

Estes tesouros dos museus do Uzbequistão também deixaram o Uzbequistão pela primeira vez.

"No Uzbequistão, todas as técnicas que vêem nesta exposição ainda existem. É importante para nós mostrar que não perdemos estas tradições, que os nossos artesãos continuam a trabalhar nesta técnica e que as tradições da arte aplicada estão vivas", diz Gayane Umerova.

Com abertura das duas exposições, o Uzbequistão está a preparar o caminho para uma nova era de diplomacia cultural. A Fundação para o Desenvolvimento da Arte e Cultura do Uzbequistão está ansiosa por partilhar a história cultural do país com o mundo. Saida Mirziyoyeva, do conselho da fundação, diz que são exposições históricas. 

Ambas as exposições em Paris são uma oportunidade única de olhar mais de perto a história do Uzbequistão, um capítulo importante na história da nossa civilização.