Depardieu vende valiosas obras de arte no meio de escândalos sexuais

Gerard Depardieu, em 2016
Gerard Depardieu, em 2016 Direitos de autor AP Photo/Axel Schmidt
Direitos de autor AP Photo/Axel Schmidt
De  Francisco Marques
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Ator francês naturalizado russo por questões fiscais está a ser acusado, entre outras alegações, de violação e espera arrecadar até 5 milhões de euros num leilão em Paris

PUBLICIDADE

O ator francês Gerard Depardieu, de 74 anos, prepara-se para vender uma boa parte da respetiva coleção de arte e espera arrecadar entre os três e os cinco milhões de euros.

Peças de Rodin, que Depardieu encarnou no grande ecrã, Duchamp, Leroy ou Germaine Richier fazem parte de um espólio de quase 250 obras, que vai ser leiloado no final de setembro em Paris.

O comissário da leiloeira Ader explicou tratarem-se de "obras de arte que na casa dele, se empilham umas ao lado das outras". "Ele também costuma brincar com estas pilhas porque nenhuma das obras na casa de Depardieu está pendurada na parede e isso é um pouco invulgar", considerou David Nordmann, na apresentação da venda.

O leiloeiro revelou ainda não foram dadas explicações pelo ator sobre os motivos da venda das obras, mas são conhecidos os problemas pessoais que Depardieu atualmente enfrenta e que já motivaram, por exemplo, o impedimento de participar no lançamento do último filme em que foi protagonista, "Umami" (2022).

Um dos mais famosos do cinema francês, naturalizado russo há 10 anos por questões fiscais, Depardieu enfrenta diversos problemas pessoais, incluindo uma investigação por alegada violação aberta em 2021, envolvendo a atriz Charlotte Arnould, e mais de uma dezena de outras acusações de cariz sexual, que teriam sido cometidas durante filmagens realizadas entre 2004 e 2022.

"Espero que as pessoas façam uma distinção clara entre as notícias e a qualidade desta coleção", desejou o leiloeiro David Nordmann, citado pela AFP.

Outras fontes • AFP

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"The Tortured Poets Department" de Taylor Swift: o nosso veredito

Foto comovente de Gaza vence o World Press Photo

Lennon e McCartney estão de volta, mas não é o que está a pensar