Iris Apfel, ícone da moda, morre aos 102 anos

ARQUIVO - No dia 27 de outubro, Iris Apfel, homenageada com o prémio Auteur of Style, participa na gala Night of Stars do Fashion Group International, no Cipriani Wall Street, em Nova Iorque.
ARQUIVO - No dia 27 de outubro, Iris Apfel, homenageada com o prémio Auteur of Style, participa na gala Night of Stars do Fashion Group International, no Cipriani Wall Street, em Nova Iorque. Direitos de autor Evan Agostini/2016 Invision
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A americana era conhecida pelo seu estilo apelativo.

PUBLICIDADE

Iris Apfel, especialista em têxteis, designer de interiores e celebridade da moda conhecida pelo seu estilo excêntrico, morreu. Tinha 102 anos.

A sua morte foi confirmada pela sua agente comercial, Lori Sale, que a apelidou de "extraordinária". Não foi indicada a causa da morte.

A morte foi anunciada na sua página do Instagram na sexta-feira. 

Nascida a 29 de agosto de 1921, Apfel era famosa pelos seus trajes irreverentes e chamativos, que misturavam alta costura e bijutaria de grandes dimensões.

Por exemplo, um look clássico de Apfel combinava um boá de penas com fios de missangas grossas, pulseiras e um casaco decorado com missangas dos índios americanos.

Com os seus óculos grandes, redondos e de aros pretos, batom vermelho vivo e cabelo branco curto, destacava-se em todos os desfiles de moda em que participava.

O seu estilo foi objeto de exposições em museus e de um documentário, "Iris", realizado por Albert Maysles.

"Não sou bonita e nunca serei bonita, mas isso não importa", disse ela uma vez. "Tenho algo muito melhor. Tenho estilo".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Como motivar a geração mais jovem a votar nas eleições europeias?

Exemplar raro de banda desenhada com a estreia do Super-Homem vendido por valor recorde de 5,5 milhões de euros

Alec Baldwin "não tinha controlo" sobre as suas emoções no cenário de "Rust", dizem os procuradores