EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Maior área marinha com proteção total da Europa e do Atlântico Norte fica em Portugal

Reserva Natural das ilhas Selvagens
Reserva Natural das ilhas Selvagens Direitos de autor National Geographic
Direitos de autor National Geographic
De  Catarina Santana
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O Governo Regional da Madeira aprovou um novo regime jurídico para a Reserva Natural das Ilhas Selvagens. Portugal passa a ter a maior área marinha com proteção total da Europa e do Atlântico Norte.

PUBLICIDADE

Nas águas do oceano Atlântico, a Europa guarda um dos tesouros mais bem preservados do mundo. A Reserva Natural das ilhas Selvagens, criada há 50 anos no arquipélago da Madeira, em Portugal, acolhe um ecossistema único. Recentemente, viu o estatuto de proteção total alargado, passando a ser a maior área protegida marinha da Europa e do Atlântico Norte.

"Este regime de proteção total é muito importante", defende Emanuel Gonçalves, investigador em ecologia e conservação marinhas e administrador e coordenador científico da Fundação Oceano Azul, uma das entidades promotoras para que esta classificação fosse atribuída,

De acordo com o especialista, o novo regime jurídico nas Selvagens "permite esta resposta ecológica que depois sustenta toda uma atividade económica associada".

Reserva Natural das ilhas Selvagens:

  • Criada em 1971
  • É atualmente a maior área marinha protegida com proteção total da Europa e de todo o Atlântico Norte
  • Abrange um território de 2.677 km2
  • Tem uma área de 12 milhas náuticas ao redor das Ilhas Selvagens

A partir de agora, as atividades humanas e económicas com impacto nocivo para o meio ambiente ficam totalmente proibidas na reserva natural.

Apesar das mais-valias para os ecossistemas, as limitações a que as áreas marítimas protegidas estão sujeitas são muitas vezes um entrave à implementação da classificação de proteção total. "Temos tido muita dificuldade em estabelecer áreas de proteção total e daí que esta área das Selvagens, apesar de só ter 2677 km2, - o que pode parecer muito, mas no oceano não é - é ainda assim a maior da Europa, porque de facto a Europa tem estado a atrasar, digamos assim, estas medidas".

"As marcas da sustentabilidade têm impacto na economia". Emanuel Goçalves, administrador e coordenador científico da Fundação Oceano Azul, fala sobre a importância da criação de áreas marinhas com proteção total

O objetivo de estabelecer áreas marinhas protegidas é permitir a recuperação e renovação do ecossistema, através da criação de áreas de repouso e reprodução para as espécies.

Apesar da perda imediata de área de captura, com o tempo, defende o investigador, todos ganham, na medida em que será possível valorizar o pescado e atrair turismo científico e informado à região.

"Se não fizermos áreas de proteção, nós vamos continuar a perder recursos, e, portanto, a pesca vai perder, mesmo que não se faça nada. E esse é um dado importante. O segundo dado importante, é que aquilo o que a ciência nos mostra é que estas áreas podem, pelo contrário, inverter essas perdas, compensar essas perdas e fazer com que através destes mecanismos de valorização, a própria atividade económica, no caso, a pesca, se valorize também", afirma Emanuel Gonçalves.

Ainda "estamos longe, muito longe" das metas para 2030

O oceano é um dos ecossistemas mais afetados pelas alterações climáticas e pela sua sobre-exploração.

Nesse sentido, a Estratégia Europeia para a Biodiversidade determina que até ao final da década, a União Europeia deve ter 30% dos mares classificados como áreas protegidas. Até 2020, indica a Agência Europeia do Ambiente, apenas 10% das áreas costeiras e marinhas beneficiavam desta proteção, o que leva Emanuel Gonçalves a considerar "estarmos muito longe" das metas definidas pela Comissão Europeia.

O novo regime jurídico, aprovado pelo Governo Regional da Madeira com o apoio técnico e científico da Fundação Oceano Azul, da National Geographic e do Waitt Institute, está já a permitir dar um passo em frente na concretização das metas comunitárias.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Projeto "MigraVías" protege milhares de quilómetros de rotas de migração marinhas

Árvores híbridas ameaçam poluição e prometem madeira rentável

Um espadarte-azul de 366 quilos na Madeira