EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Pesca susentável com base em dados científicos

Em parceria com The European Commission
Pesca susentável com base em dados científicos
Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  euronews
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Todos os anos, o navio de investigação RV Celtic Explorer do Marine Institute, na Irlanda, realiza um estudo da pesca.

Navios de investigação europeus recolhem dados para garantir a saúde dos mares e o futuro da pesca. 

Todos os anos, o navio de investigação RV Celtic Explorer do Marine Institute, na Irlanda, realiza um estudo da pesca, no âmbito do Estudo Internacional da Pesca de Arrasto. 

"Começamos na costa ocidental da Escócia, trabalhamos na costa ocidental da Irlanda e no Mar Céltico, onde há um inquérito semelhante. A França realiza um inquérito nessa zona. Há uma sobreposição do nosso trabalho. Trata-se de um programa de seis semanas", explicou David Stokes, chefe do grupo de cientistas que realiza os inquéritos sobre a sustentabilidade da pesca.

"Os inquéritos recolhem muitos dados e são fundamentais para a gestão sustentável da pesca. Para gerir os recursos piscatórios precisamos de três tipos de informação. Precisamos da dimensão da unidade populacional no início do ano, por isso, há uma avaliação recente onde podemos obter essa informação. Por isso, sabemos mais ou menos qual é a dimensão da unidade populacional, detalhou o responsável do Irish Groundfish Survey 2021.

Tomada de decisão com base nos dados científicos

"A segunda informação de que precisamos é o número de peixes retirados do mar num determinado ano pela indústria comercial para consumo humano. Obtemos essa informação a partir de dados de captura comercial. Há ainda um aspeto muito importante: saber quantos peixes jovens começam a substituir os que foram retirados. Nesse ponto, os estudos são realmente fundamentais. Não há outra fonte de informação para obter uma indicação clara do sucesso da desova num determinado ano sem vir até aqui recolher amostras porque os modelos não são suficientemente fiáveis" explicou David Stokes.

"É preciso uma amostragem para determinar proporcionalmente quantos peixes jovens irão entrar na pesca, para saber se podemos ter uma atitude optimista ou conservadora ao nível das capturas", concluiu o cientista irlandês.

Partilhe esta notícia

Notícias relacionadas

Formas inovadoras de promover a ligação emocional das pessoas aos oceanos

Restrições fazem crescer peixe no Mediterrâneo