Camadas de gelo no Ártico diminuíram substancialmente

Camadas de gelo no Ártico diminuíram substancialmente
Direitos de autor euronews
De  Jeremy Wilks
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os cientistas que estudam as camadas de gelo marinho junto ao Polo Norte estão a notar uma diminuição significativa nos níveis, desde há alguns anos.

PUBLICIDADE

Estão 12 graus negativos e Tromsø parece congelada no tempo. No entanto, esta região está a mudar rapidamente. O Ártico está a aquecer três a quatro vezes mais depressa do que a média global.

O especialista em gelo marinho Mats Granskog testemunhou-o com os seus próprios olhos:"Quando me aventurei lá fora pela primeira vez, há talvez 20 anos, havia muito gelo - gelo espesso e pesado. Hoje em dia, há anos em que temos dificuldade em encontrar um bom bloco de gelo para trabalhar. Por isso, mudou dramaticamente nas últimas décadas", explica.

Todos os anos, os cientistas navegam para o nordeste da Gronelândia para recolher amostras a caminho do Polo Norte. Depois, trazem-nas de volta a Tromsø para estudo. Cada núcleo de gelo representa um instantâneo do Ártico no momento em que foi recolhido.

Há 20 anos, as camadas de gelo marinho no Polo Norte rondavam os três metros, agora diminuíram para cerca de metade, explica Granskog.

O perito acrescenta: "As previsões ou os nossos modelos climáticos dizem-nos que há certamente uma época em que podemos considerar o Ártico como livre de gelo no verão. Mas há um pouco de incerteza sobre quando exatamente isso vai acontecer. Não conhecemos todos os feedbacks no sistema. Sinto que não sabemos se será apenas gradual ou se teremos algum tipo de mudanças abruptas que mudam o sistema para um estado completamente novo. Esse é um campo de pesquisa ativo para compreender todo este mecanismo que pode acelerar o aquecimento".

há anos em que temos dificuldade em encontrar um bom bloco de gelo para trabalhar.
Mats Granskog
Investigador

No laboratório de gelo, Dimitry Divine estuda como o gelo foi formado. As principais mudanças que vê são na idade e espessura do gelo:"O gelo está a ficar cada vez mais fino. Não será capaz de sobreviver ao degelo no verão. Isso afeta também a idade geral do gelo. Assim, o gelo no Ártico é agora dominado, na maioria, pelas formas de gelo do primeiro ano. Os tipos de gelo mais antigos, que teriam prevalecido há 20, 30 anos no Ártico Central, desapareceram praticamente. Vemos, especialmente no Ártico ocidental, um aumento das quantidades de neve e precipitação no gelo ao longo da última década. Isso está relacionado com o facto de o Ártico ser mais quente e húmido em geral", explica.

O aquecimento do Ártico deve-se, em parte, ao que é conhecido como loops de feedback - um exemplo é que a água do mar aberto é mais escura do que o gelo, por isso aquece mais rapidamente e acelera o degelo.

No entanto, ainda há muito que não dominamos sobre esta região polar: "O gelo marinho depende da atmosfera e do oceano que se encontra abaixo. É um sistema bastante complexo de se compreender. Suponho que as grandes questões são: como será o Ártico no futuro? Essa é uma questão difícil, porque ainda não compreendemos totalmente como funciona hoje", diz Mats Granskog.

Partilhe esta notícia