"Cafés reparadores" e smartphones sustentáveis: Combater a cultura do descartável na Europa

"Cafés reparadores" e smartphones sustentáveis: Combater a cultura do descartável na Europa
Direitos de autor euronews
De  Cyril Fourneris
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Neste episódio de "The Road to Green", o repórter Cyril Fourneris vai a Amesterdão e ao Luxemburgo para falar com os empresários e investigadores que estão na linha da frente da luta europeia contra o lixo eletrónico.

Os europeus consomem muito. Compramos muitos aparelhos electrónicos e, quando estes se avariam, temos tendência a substituí-los. No entanto, os consumidores queixam-se de que os smartphones e os dispositivos que compramos não são feitos para durar, não lhes restando outra alternativa senão substituí-los.

Mas comprar bens novos em vez de os reparar custa milhares de milhões de euros todos os anos. Então, como podemos fabricar e consumir de forma diferente, para que os produtos sustentáveis, reparáveis e recicláveis se tornem a norma?

Direito à reparação: "Não há recursos suficientes no mundo para mantermos este comportamento"

Amesterdão é o paraíso da segunda mão. A cidade holandesa é também o local onde foi criado o conceito de Repair Café.

Atualmente, existem milhares de Repair cafés em todo o mundo. O princípio é simples: reparar aparelhos electrónicos para evitar que os consumidores tenham de gastar mais e deitar fora os bens reparáveis - criando assim lixo eletrónico.

A antiga jornalista Martine Postma criou este conceito em Amesterdão, em 2009. "Para mim, foi uma experiência, queria ver se uma coisa destas podia funcionar. E funcionou", disse à Euronews.

"Habituámo-nos ao facto de que as coisas são baratas e que comprar uma nova é, em muitos casos, mais barato do que ir a um reparador profissional. Temos de inverter esta situação. Porque não há recursos suficientes no mundo para continuarmos com este comportamento."

No âmbito de uma campanha de combate à cultura do descartável, está prestes a entrar em vigor na Europa um conjunto de regras destinadas a tornar as reparações mais fáceis e mais baratas, mesmo depois de expirada a garantia.

Em março de 2023, a Comissão Europeia adoptou uma nova proposta de regras comuns para promover a reparação de bens, conhecida como "Direito à reparação".

A UE afirma que tal resultará em poupanças para os consumidores e apoiará os objectivos do Pacto Ecológico Europeu, reduzindo os resíduos, entre outros.

A proposta assegurará que mais produtos sejam reparados dentro do prazo da garantia legal e que os consumidores disponham de opções mais fáceis e mais baratas para reparar produtos quando a garantia legal tiver expirado ou quando o bem deixar de ser funcional devido ao desgaste.

Para avançar nesta direção, a União Europeia tem outro grande projeto: o Regulamento para o Design Ecológico de Produtos Sustentáveis (ESPR). A proposta consiste em harmonizar os requisitos para tornar os produtos vendidos na UE mais fáceis de reparar, reciclar ou reutilizar.

Estabelece um quadro para definir requisitos de conceção ecológica para grupos de produtos específicos, a fim de melhorar significativamente a sua circularidade, desempenho energético e outros aspectos de sustentabilidade ambiental.

O Professor de Engenharia de Design Industrial na TU Delft, Bas Flipsen, estuda os nossos dispositivos do dia a dia. Mostrou-nos o seu laboratório.

"Avaliamos a facilidade de desmontagem e depois avaliamos também a reciclabilidade", explicou.

O laboratório também estuda a obsolescência e as atitudes dos consumidores.

"O que vai falhar numa escova de dentes eléctrica é a bateria, por exemplo. Por isso, temos de a descolar e de a desmontar. Mas também há outras coisas: o plástico degrada-se, a borracha degrada-se. Mas também as peças de plástico vão-se desvanecendo", revela Bas Flipsen.

"As pessoas deitam-no para o lixo. E isso é compreensível. Mas também é possível alterar esta situação, tornando a bateria mais acessível ou mantendo-a esteticamente apelativa durante mais tempo."

Estas alterações implicam custos adicionais para o produtor, mas poupanças para os consumidores. É aqui que algumas regras têm de fazer a diferença.

"Temos de mudar a forma como concebemos as coisas, mas também a forma como as vendemos. E com o Direito de Reparação, mas também com as novas regras e regulamentos que sairão em 2024, penso que é um grande passo em direção a um futuro mais sustentável", acrescentou Bas Flipsen.

Fairphone: "O nosso objetivo é mudar a indústria"

Mas será que um aparelho eletrónico pode ser realmente mais sustentável? Em Amesterdão, visitámos uma empresa em fase de arranque que está a aceitar o desafio.

Miquel Ballester é o Diretor de Gestão de Produtos da Fairphone. O fabricante neerlandês de produtos electrónicos tem como objetivo minimizar o impacto ético e ambiental dos seus dispositivos, utilizando materiais reciclados e de comércio justo.

O mais recente Fairphone 5 pode ser desmontado com uma simples chave de fendas e o seu design plano facilita a troca de peças em vez de deitar o telemóvel fora. Mas Miquel insiste que o que está a fazer não é revolucionário.

"O princípio da durabilidade, diria eu, é o mais antigo princípio da engenharia. Constrói-se coisas para durar", disse à Euronews.

"Qualquer coisa que tenha uma placa de circuito impresso custa muita energia a fazer. Por isso, depois de o fazer, é preciso garantir que é utilizado durante o máximo de tempo possível. E isso é difícil, com parceiros em todo o mundo que ainda pensam de forma demasiado linear. Mas esse é o nosso negócio, diria eu, estamos no negócio de mudar o sector. E fazemo-lo porque o negócio é uma ferramenta poderosa para moldar a economia e também para influenciar a procura. Para convencer os consumidores sobre o que é possível e o que deve existir".

Projeto de passaporte de produtos do Luxemburgo: Partilhar dados e garantir transparência

"Capacitar os consumidores" é o objetivo de outra nova diretiva europeia, a Ficha de Dados sobre a Circularidade dos Produtos (PCDS), que visa fornecer mais informações sobre a sustentabilidade dos produtos e combater o greenwashing.

Então, como é que podemos estar mais bem informados sobre o que compramos? Para o descobrir, vamos até ao Luxemburgo, um país que lançou o seu projeto de passaporte de produtos.

"O Luxemburgo está a tentar criar uma metodologia para facilitar a transmissão de informações sobre as propriedades circulares dos produtos ao longo da cadeia de valor, de modo a que estas estejam disponíveis com os produtos quando estes são colocados no mercado", explicou Jérôme Petry, Gestor de Projeto no Ministério da Economia do Luxemburgo.

Embora os dados digitais permitam seguir o rasto dos materiais, estes podem vir de muito longe. É por isso que uma nova norma ISO está a ser preparada para garantir a transparência ao longo de toda a cadeia, até às lojas.

"Vamos ter informações sobre a composição [de um dispositivo], se contém materiais perigosos, se existem peças sobresselentes, qual o conteúdo reciclado, etc.", afirmou Jérôme Petry. "Também precisamos de garantir que esta informação perdure no tempo, porque depois vamos querer repará-la, recondicioná-la ou o que quer que seja, mas isso pode acontecer cinco ou dez anos mais tarde."

O projeto reflecte uma das principais ambições do regulamento europeu ESPR: o "passaporte digital do produto", que deverá tornar-se a norma na Europa.

Os dados da iniciativa luxemburguesa poderiam ser introduzidos diretamente neste passaporte, a pedra angular do futuro mercado comum.

"Se tivermos 27 regulamentos diferentes, se tivermos 27 aplicações diferentes, é muito difícil ter circularidade no mercado interno", disse Lex Delles, Ministro da Economia para as PME e Energia do Luxemburgo.

"É por isso que o ESPR é tão importante: para facilitar o intercâmbio entre as diferentes empresas que trabalham em questões de circularidade em toda a Europa."

Partilhe esta notícia

Notícias relacionadas

"A substituição é a norma": Quão difícil é reparar um smartphone?

Espanha remove barragens para evitar cheias e proteger biodiversidade (com o apoio da UE)

Como recuperar a natureza e garantir a segurança alimentar das populações?