Progresso das tecnologias de produção de energia a partir das ondas suscita cada vez mais interesse

Em parceria com The European Commission
Progresso das tecnologias de produção de energia a partir das ondas suscita cada vez mais interesse
Direitos de autor Euronews
De  Denis Loctier
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Grandes empresas começam a mostrar interesse em investir em projetos offshore devido ao progresso das tecnologias de produção de energia a partir das ondas e das marés, na Europa.

O progresso das tecnologias de produção de energia a partir das ondas e das marés tem suscitado um interesse crescente da parte das grandes empresas.

"A rede eléctrica da Europa terá de integrar vários tipos de tecnologias. As ondas e as marés têm vantagens diferentes. No caso da maré, com um pouco de armazenamento, podemos produzir quase 24 horas por dia, 7 dias por semana. Ou seja, sem parar. As ondas produzem eletricidade muito tempo depois de o vento ter desaparecido, porque usamos as ondas criadas pelo vento. É um ótimo complemento para a energia eólica", disse à euronews Rémi Gruet, Diretor Executivo da rede Ocean Energy Europe.

A estabilidade dos preços do gás "desapareceu para sempre"

No ano passado, assistimos à concretização de um grande apoio público às marés e às ondas a nível europeu, através do Fundo de Inovação e dos programas de investigação a nível nacional. Em novembro, durante a conferência anual do setor, um grupo de investidores regressaram ao setor pela primeira vez. Vimos grandes empresas, empresas de eletricidade, petróleo e gás, a quererem saber mais e a investir diretamente em projetos. Isso deve-se ao facto de a tecnologia ter progredido muito. Por isso, há mais confiança no facto de podermos realmente utilizar a água para gerar eletricidade de uma forma rentável. O segundo ponto é Putin. Compreendemos que a estabilidade dos preços do gás desapareceu para sempre. E não há segurança energética sem estabilidade de preços. Isso desencadeou uma compreensão renovada da necessidade de descarbonizar, não apenas para o clima, porque isso já existia, mas também para a segurança energética", acrescentou o responsável.

Partilhe esta notícia