EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Os Verdes não apoiarão von der Leyen sem convite para uma grande coligação

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, fala durante a cerimónia de abertura da conferência de recuperação da Ucrânia em Berlim, Alemanha, terça-feira, 11 de junho de 2024
A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, fala durante a cerimónia de abertura da conferência de recuperação da Ucrânia em Berlim, Alemanha, terça-feira, 11 de junho de 2024 Direitos de autor Ebrahim Noroozi/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Ebrahim Noroozi/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
De  Robert Hodgson
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Os Verdes, que perderam 18 dos seus 71 lugares nas eleições para o Parlamento Europeu, dizem que o seu apoio continua a ser necessário para garantir uma maioria centrista estável e a reeleição de Ursula von der Leyen como Presidente da Comissão Europeia.

PUBLICIDADE

Os Verdes não apoiarão Ursula von der Leyen na sua candidatura a um segundo mandato como Presidente da Comissão Europeia, a não ser que sejam incluídos numa coligação ampla e centrista com o Partido Popular Europeu (PPE), afirmaram os líderes do grupo.

"Pensamos que a única forma de criar uma maioria estável pró-europeia, pró-democracia e pró-Ucrânia é através dos quatro partidos", afirmou Bas Eickhout, copresidente do Grupo dos Verdes/Aliança Livre Europeia e co-candidato ao cargo mais alto do executivo da UE, em declarações aos jornalistas na quarta-feira (12 de junho), antes da primeira reunião pós-eleitoral em Bruxelas.

O deputado neerlandês enumerou as três condições que a própria von der Leyen estabeleceu para os grupos que pretendem cooperar com o PPE e para os eurodeputados ainda não alinhados que possam querer juntar-se ao grupo nas próximas semanas.

Na noite das eleições, no domingo passado, depois de se ter tornado claro que o PPE iria continuar a ser o maior grupo no Parlamento e até ganhar lugares, von der Leyen fez imediatamente propostas aos Socialistas e Democratas e ao Renew, tendo este último grupo liberal perdido 23 dos seus 79 lugares.

"A nossa conclusão é muito clara", disse Eickhout. "A única forma de criar uma maioria estável é através de um quarto partido, e o único partido que pode cumprir os três critérios que ela própria definiu somos nós".

"Estamos dispostos a falar e a dar-lhe o nosso apoio - se fizermos parte de uma coligação", disse Eickhout.

Ao seu lado, o copresidente dos Verdes/ALE, Terry Reintke, sublinhou que os Verdes não participarão em qualquer tipo de pacto político que envolva o grupo eurocético ECR, onde se encontra o partido Irmãos de Itália, da primeira-ministra Giorgia Meloni, que lidera as sondagens em Itália.

Verdes afirmam-se capazes de compromissos: "somos políticos pragmáticos"

No entanto, a eurodeputada deu a entender que os Verdes estariam dispostos a fazer compromissos.

"É óbvio que, se iniciarmos negociações, não vamos conseguir 100% do que estava previsto no programa ecológico", admitiu Reintke.

"Agora estamos prontos para fazer parte desta maioria, porque vemos o perigo de a maioria se deslocar para a direita", disse Reintke. "Estamos prontos para chegar a um compromisso, somos políticos pragmáticos", acrescentou a eurodeputada.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Socialistas só apoiarão von der Leyen se PPE bloquear extrema-direita

Eleições europeias: os vencedores e os vencidos em Bruxelas e em toda a Europa

Produção de cereais em França afetada pelas alterações climáticas