Comissão Europeia aguardará por "outro" referendo na Catalunha

Comissão Europeia aguardará por "outro" referendo na Catalunha
De  Isabel Marques da Silva
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

A Comissão Europeia reafirmou, sexta-feira, que não vai reconhecer o resultado do referendo sobre a independência da Catalunha marcado para 1 de outubro, mas deixa a porta aberta para o futuro.

PUBLICIDADE

A Comissão Europeia reafirmou, sexta-feira, que não vai reconhecer o resultado do referendo sobre a independência da Catalunha marcado para 1 de outubro, mas deixa a porta aberta para o futuro.

“Se, no quadro constitucional vigente, surgirem novas realidades nos Estados-membros, essas realidades também serão aceites pela União Europeia e agiremos com base nessas novas realidades”, disse o vice-presidente, Franz Timmermans, em resposta a uma pergunta da correspondente da euronews, Ana Lazaro.

A confusão surgiu com as declarações de Jean-Claude Juncker num programa da euronews, mas o gabinete esclareceu, pouco depois, que o presidente do executivo comunitário se referia a um futuro referendo que tivesse o consentimento das autoridades centrais espanholas.

Catalonia asks Spain’s PM, king for dialogue on independence vote https://t.co/4cHxQRUcXgpic.twitter.com/1cbHLmVDaD

— Reuters Top News (@Reuters) September 15, 2017

Por momentos, houve alguma euforia entre os independentistas daquela região espanhola, que lançaram oficialmente, quinta-feira, a campanha para o referendo. Isto, apesar da suspensão decretada pelo Tribunal Constitucional espanhol a pedido do governo de Madrid.

“A Comissão Europeia extinguiu o pequeno incêndio provocado pelas palavras de Juncker. Na Catalunha, essa posição é agora interpretada com mais cautela”, acrescentou a correspondente da euronews em Bruxelas, Ana Lazaro.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

UE e Reino Unido chegam a acordo sobre "grandes linhas políticas" relativamente a Gibraltar

"Estado da União": Acórdão sobre clima e acordo sobre migração

Bélgica investiga rede russa suspeita de pagamentos a eurodeputados