This content is not available in your region

Posição de Trump sobre acordo nuclear gera tensão transatlântica

Access to the comments Comentários
De  Isabel Marques da Silva
Posição de Trump sobre acordo nuclear gera tensão transatlântica

A União Europeia discorda da avaliação do Presidente norte-americano quanto ao cumprimento do acordo nuclear por parte do Irão.

A ameaça de Donald Trump de não certificar a avaliação técnica pode gerar um mau ambiente entre os dois parceiros transatlânticos.

“Poderemos vir a ter um maior risco de confrontação entre os Estados Unidos e os países europeus, porque os últimos consideram que o Irão está a respeitar os seus compromissos em relação ao acordo de 2015. Os europeus não têm motivos para reintroduzir as sanções contra o Irão”, explicou, à euronwews, Pierre Vimont.


Agora analista político no centro de estudos Carnegie Europe, este ex-diplomata esteve envolvido nas negociações do acordo, que necessitaram de mais de uma década para chegarem a bom porto.

“Esta situação afeta a credibilidade dos Estados Unidos e, obviamente, os adversários e concorrentes dos EUA nessa região vão aproveitar a oportunidade para aumentar a sua influência. Estou a pensar na Rússia, por exemplo”, acrescentou Pierre Vimont.


Mas o ceticismo de Donald Trump é considerado positivo por alguns governos e analistas, como é o caso de Daniel Schwammenthal, diretor do AJC Transatlantic Institute, um instituto de defesa dos interesses judaicos.

“Independentemente das virtudes do acordo, sabemos que, daqui a uma dezena de anos, a maioria das restrições vão desaparecer e o regime iraniano terá uma capacidade nuclear legitimada pela comunidade internacional”, disse à euronews.


O correspondente da euronews em Bruxelas, Nima Ghadakpour, acrescenta que “a luta contra a proliferação nuclear está num impasse, de que são exemplos a situação na Coreia do Norte e o facto do Irão reivindicar o direito ao armamento nuclear”.

“Face a isso, há duas posições distintas: a dos defensores do confronto, como é o caso do Presidente norte-americano, e a dos apoiantes do apaziguamento, como é o caso da União Europeia”, concluiu.