EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Catalunha volta a ser discutida nos "bastidores" da UE

Catalunha volta a ser discutida nos "bastidores" da UE
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Bruxelas é palco de intensos esforços diplomáticos sobre a crise na Catalunha, na véspera do mais recente ultimato apresentado pelo governo central espanhol ao governo independentista daquela província.

PUBLICIDADE

Bruxelas é palco de intensos esforços diplomáticos sobre a crise na Catalunha, na véspera do mais recente ultimato apresentado pelo governo central espanhol ao governo independentista daquela província.

Na representação junto das instituições europeias, o conselheiro para as Relações Externas da Catalunha realçou a detenção de dois independentistas por incitamento à revolta contra o Estado.

“Há presos políticos atualmente na União Europeia. O que está a acontecer agora, na Catalunha, terá efeitos a longo prazo em todos os países europeus, nas sociedades europeias, na economia europeia e, principalmente, na credibilidade europeia”, disse Raül Romeva, em conferência de imprensa, quarta-feira.

Impressive candlelight vigils all over Catalonia in solidarity with political prisoners. #HelpCataloniapic.twitter.com/KYG5ipdmd2

— Help Catalonia (@CataloniaHelp2) October 18, 2017

Os líderes de duas organizações pró-independência, Jordi Sánchez e Jordi Cuixart, foram colocados em prisão preventiva, na passada segunda-feira, o que levou a uma nova onda de manifestações nas ruas de Barcelona.

O líder do partido socialista espanhol, a principal força da oposição, foi questionado sobre o assunto durante uma visita, a Bruxelas, para encontros com líderes das instituições europeias.

Pedro Sánchez não se opõe à medida, argumentando, junto dos jornalistas, que “há políticos que estão na prisão porque não respeitaram a lei, porque violaram a lei em vigor”.

Catalonia crisis: Spain warns on self-rule as deadline looms https://t.co/neEBGQsyHJ

— BBC News (World) (@BBCWorld) October 18, 2017

A correspondente da euronews em Bruxelas, Ana Lázaro Bosch, acrescentou que “durante a visita a Bruxelas, Pedro Sánchez disse, ainda, que o líder do governo catalão tem duas opções para evitar a aplicação do artigo 155: dizer que não declarou a independência ou convocar eleições antecipadas”.

O artigo 155 da Constituição de Espanha permite que o governo central tome o controlo direto das instituições autonómicas da região.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Temos de fechar os céus de Kharkiv", diz Presidente da Câmara

França: extrema-direita quer maioria absoluta nas legislativas antecipadas

Secretário-Geral da NATO diz que China pode enfrentar sanções por ajudar a Rússia