EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

COP23: A Alemanha e o dilema do carvão

COP23: A Alemanha e o dilema do carvão
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

A eliminação gradual do carvão é um tema quente na Alemanha dividida entre a defesa do meio-ambiente e a sua dependência do carvão

PUBLICIDADE

O Presidente francês Emmanuel Macron e a Chanceler alemã, Angela Merkel, participaram esta quarta-feira na Conferência da ONU sobre Mudanças Climáticas, COP23, a decorrer em Bonn, na Alemanha.

Em destaque esteve o controverso tema da eliminação gradual do carvão, tema quente na Alemanha dividida entre a defesa do meio-ambiente e a sua dependência do carvão.

Dirigindo-se aos delegados presentes em Bonn, a Chanceler alemã disse que “a Alemanha, enquanto país que utiliza grandes quantidades de carvão, em particular lenhite de carvão, tem que fazer uma contribuição substancial no sentido de cumprir estas metas. Mas como vamos chegar lá? Vamos ter que discutir isto em detalhe nos próximos dias”.

Na abertura do encontro, a Alemanha comprometeu-se a dar 100 milhões de euros para ajudar à reconversão energética dos países em desenvolvimento. No entanto, ONGs e manifestantes continuam a pressionar o governo alemão no sentido de abandonar o consumo de carvão e adotar fontes energéticas alternativas.

«O que é que significa aumentar as ambições quando falamos da Europa? Significa a Alemanha anunciar, e espero que em breve, quando é que vão eliminar o carvão”, afirmou Manuel Pulgar-Vidal, diretor do Programa WWF Clima Global e Energia.

O enviado da euronews ao encontro Grégoire Lory afirma “para as ONGs presentes na COP23, as intervenções da Chanceler alemã e do presidente francês são um sinal político encorajador mas as organizações ambientais esperam principalmente ações concretas da parte dos dois dirigentes”.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Itália: confrontos na Câmara dos Deputados durante votação polémica

Líder da coligação mais votada nas legislativas na Bulgária anuncia que não será primeiro-ministro

NATO: novo plano de ajuda à Ucrânia