This content is not available in your region

UE contra mudar estatuto de Jerusalém

Access to the comments Comentários
De  Isabel Silva  com LUSA, REUTERS
UE contra mudar estatuto de Jerusalém

A União Europeiab (UE) discorda totalmente da posição do Presidente norte-americano de reconhecer Jerusalém como capital de Israel e de transferir a embaixada dos EUA em Telavive para essa cidade, que os palestinianos também reclamam como sua.

“A UE defende que seja retomado um processo de paz sério que conduza à solução dos dois Estados. Consideramos que qualquer ação que prejudique esse esforço deve ser absolutamente evitada. Deve ser encontrada uma nova via para as negociações que permita resolver o estatuto de Jerusalém como futura capital dos dois Estados”, disse, na segunda-feira, Federica Mogherini, chefe da diplomacia do bloco.


Portugal juntou-se ao coro de membros da comunidade internacional que consideram a ideia como potencialmente provocadora de uma nova onda de violência naquela zona do Médio Oriente.

“Não podemos acompanhar a decisão norte-americana de transferir a sua representação diplomática para Jerusalém. (…) Portugal entende que a solução dos dois Estados, o Estado de Israel e o da Palestina, coexistindo lado a lado, é a única solução capaz de ultrapassar o presente conflito israelo-palestiniano”, disse Augusto Santos Silva, ministro dos Negócios Estrangeiros.


A parte oriental de Jerusalém, reivindicada como capital pelos palestinianos, foi anexada por Israel em 1967, num ato nunca reconhecido pela comunidade internacional. As Nações Unidas defendem que a cidade seja partilhada pelas duas partes.

Marc Pierini, analista político no centro de estudos Carnegie Europe, disse que “deverá haver uma posição unânime sobre o facto desta decisão prejudicar as já ténues esperanças de levar a bom porto o processo de paz isarelo-palestiniano. Trata-se de um recuo e vai criar riscos de segurança desnecessários”.


Já Daniel Schwammenthal, analista político pró-israelita no centro de estudos AJC Transatlantic Institute, considera que “a declaração de Trump simplesmente reconhece os fatos históricos e não impedirá a futura negociação sobre o estatuto de Jerusalém Oriental . Lamento, por isso, que a UE não esteja de acordo a declaração”.

A Liga Árabe já convocou uma reunião de emergência, no sábado, e o conselho de ministros de Negócios Estrangeiros da UE deverá analisar o caso na segunda-feira.