Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Organização para a Cooperação Islâmica condena decisão de Trump

Organização para a Cooperação Islâmica condena decisão de Trump
Tamanho do texto Aa Aa

A decisão do presidente Trump de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel foi condenada pelos membros da Organização para a Cooperação Islâmica, durante um encontro em Istambul, organizado pelo presidente turco, Recep Tayyip Erdoğan.

Os mais de 50 participantes no encontro da OIC apelaram à Comunidade Internacional a reconhecer Jerusalém-Leste como a capital da Palestina.

Erdoğan disse, durante o encontro, que os Estados Unidos perderam o direito de atuar como mediador no processo de paz com vista ao fim do conflito entre israelo-palestiniano.

O presidente da Turquia disse ainda que a decisão de Trump poderia dar a um conflito no mundo sem fim à vista. Uma decisão que Erdoğan disse ser "uma recompensa pelas ações de Israel, como ocupação, construção de colonatos, roubo de terras e violência desproporcional e homicídio."

Entre os mais críticos dos participantes encontravam-se o presidente da Autoridade Palestiniana, Mahmoud Abbas, o presidente Hassan Rouhani, do Irão e o Rei Abdullah da Jordânia, aliado próximo dos EUA.

Um comunicado do ministério turco dos Negócios Estrangeiros refere "Declaração de Istambul", que apela a todos os países independentes a reconhecerem Jerusalém-Leste como a capital da Palestina.

O caso da posição jordana é particularmente complexo. Apesar da proximidade com os Estados Unidos e de ter assinado um tratado de paz com Israel há mais de duas décadas, Amã é sensível a qualquer mudança relativamente ao estatuto da cidade santa. A dinastia Hachemita do Rei Abdullah é custódia dos lugares sagrados para os muçulmanos em Jerusalém.