EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Eurodeputados cautelosos sobre acordo de divórcio do Brexit

Eurodeputados cautelosos sobre acordo de divórcio do Brexit
Direitos de autor 
De  Isabel Silva com REUTERS
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
PUBLICIDADE

O Parlamento Europeu quer o acordo sobre os termos do divórcio do Brexit, alcançado na semana passada, seja tornado juridicamente vinculativo o mais depressa possível.

Na sessão plenária de terça-feira, em Estrasburgo, os eurodeputados debateram o tema e mostram-se cuidadosos sobre passar à segunda fase negocial.

“Qualquer período de transição está dependente do progresso que venha a ser alcançado na segunda fase. Se houver progresso, podemos falar sobre um período de transição, caso contrário não haverá período de transição”, disse Manfred Weber, líder do centro-direita.

Remarks by David Davis that Phase one deal last week not binding were unhelpful & undermines trust. EP text will now reflect this & insist agreement translated into legal text ASAP #Brexit

— Guy Verhofstadt (@guyverhofstadt) December 12, 2017

Reino Unido e Comissão Europeia chegaram a um acordo de princípio sobre a fronteira na Irlanda, a conta a pagar pelo governo de Londres e os direitos dos cidadãos.

“Há ainda algumas pontas soltas, especialmente sobre os direitos dos cidadãos, que pretendemos que sejam vinculativas no acordo final”, avisou Philippe Lamberts, co-líder dos Verdes.

A Brexit stamp. #bbcdppic.twitter.com/E4CvbMTIqH

— Paul O’Connor ??❄️ #FBPE (@POCX100) December 12, 2017

Cabe aos chefes de Estado e de Governo, reunidos em cimeira, no final da semana, em Bruxelas, aprovar formalmente a passagem para a fase de negociação sobre um período de transição e o futuro acordo comercial.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Como é que Itália vê a abertura de Ursula von der Leyen para cooperar com Meloni?

António Costa já foi ouvido pelo Ministério Público na Operação Influencer

Borrell: UE enfrenta uma escolha "difícil" entre o apoio ao Estado de direito e o apoio a Israel