EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Turquia tenta aproximação europeia via França

Turquia tenta aproximação europeia via França
Direitos de autor 
De  Isabel Silva
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
PUBLICIDADE

A primeira visita do Presidente da Turquia a França desde a tomada de posse de Emmanuel Macron está a ser vista pelos analistas como uma tentativa de RecepTayyip Erdogan para melhorar as frias relações com a União Europeia.

Mas o encontro, sexta-feira, em Paris, não vai descongelar as negociações com vista à adesão do país à União, segundo o analista político Marc Pierini.

“No que se refere à negociação entre a União Europeia e a Turquia, não creio que esta visita permita fazer avanços porque a ausência de Estado de direito, ou melhor, o desmantelamento do Estado de direito – segundo a definição europeia desse conceito – está agora consagrado na lei”, explicou, à euronews, o perito do centro de estudos Carnegie Europe, em Bruxelas.

Marc Pierini refere-se à reforma constitucional levada a cabo depois do golpe de Estado falhado, em julho de 2016, que transformou Erdogan num líder com poder quase absoluto.

France’s Macron criticises Turkish gov’t over press freedom ahead of Erdoğan’s visit https://t.co/xmQiXuKuPfpic.twitter.com/9kuT4GWQgw

— SCF (@StockholmCF) January 4, 2018

“A verdadeira questão, na minha opinião, é a luta contra o terrorismo que afeta a Turquia, a França e outros países europeus tais como a Bélgica e a Alemanha. Em segundo lugar, há que repensar o acordo de união aduaneira entre as partes”, acrescentou o analista.

A França deverá, ainda, querer abordar a situação dos direitos humanos na Turquia já que continuam presas 55 mil pessoas acusadas de conspiração contra o regime.

Grande parte destes temas deverá ser abordada, no sábado, pelo chefe da diplomacia alemã, Sigmar Gabriel, que visitará o seu homólogo, Mevlut Cavusoglu, em Ancara (capital da Turquia).

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Erdoğan rejeita plano da ONU para um Chipre federado

Josep Borrell prepara saída de cena com visitas aos países bálticos

Ex-deputada ucraniana morta a tiro em Lviv