EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Palestinianos querem europeus a substituir americanos na mediação

Le ministre palestinien des Affaires étrangères, Ryad al-Malki
Le ministre palestinien des Affaires étrangères, Ryad al-Malki
Direitos de autor 
De  Isabel Silva
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Autoridade Palestiniana (AP), Riyad al-Maliki, defende que a União Europeia tome o lugar dos EUA no processo de paz com Israel. As declarações à euronews foram feitas em Bruxelas, por ocasião da reunião do líder da AP com os chefes da diplomacia comunitária.

PUBLICIDADE

A Autoridade Palestiniana reconhece o apoio financeiro que a União Europeia tem dado ao território nas últimas décadas, sobretudo ao nível da construção de infra-estruturas.

Mas é preciso ir mais longe politicamente, tomando o lugar dos EUA no processo de paz, defendeu o ministro dos Negócios Estrangeiros, Riyad al-Maliki, em entrevista ao correspondente da euronews em Bruxelas.

"No momento em que os EUA deixaram de ser aceites pelos palestinianos como mediadores, abre-se a oportunidade para a União Europeia assumir o lugar e desempenhar esse papel", disse Riyad al-Maliki.

Mas o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, rejeita essa ideia tendo declarado, domingo, que "não há alternativa à liderança americana no processo diplomático. Quem não estiver disponível para conversar com os americanos sobre a paz, não quer a paz".

O ministro palestiniano ripostou que "esse tipo de declarações não têm qualquer importância para nós, não recebemos instruções de ninguém e, muito menos, de Netanyahu".

"Examinamos a situação da nossa própria perspetiva. Netanyahu já rejeitou outras propostas de mediadores para o processo de paz, agora somos nós que rejeitamos os EUA como o único intermediário do processo de paz", acrescentou Riyad al-Maliki.

Os EUA têm uma longa tradição de mediação do conflito no Médio Oriente, sendo um dos pontos altos a cimeira de 2000, em Camp David, com Bill Clinton.

Mas com Donald Trump tudo mudou e agora o Presidente da Rússia também está interessado em liderar o processo, tendo convidado os líderes israelita e palestiniano para uma reunião em Moscovo, em meados de fevereiro.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"A embaixada dos EUA em Jerusalém vai abrir antes do fim de 2019"

Palestina não quer acordo de paz com EUA

Macedónia do Norte em alerta com cerca de 30 incêndios florestais ativos