Redes sociais têm aumentado remoção de discurso do ódio

Redes sociais têm aumentado remoção de discurso do ódio
De  Isabel Marques da SilvaElena Cavallone
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Redes sociais têm aumentado remoção de discurso do ódio

PUBLICIDADE

As plataformas digitais têm aumentado a deteção e remoção de conteúdos racistas e xenófobos, mas devem melhorar o nível de resposta aos utilizadores e revelarem a quantidade de casos analisados.

Os conselhos são da Comissão Europeia, que revelou os mais recentes dados sobre o combate à incitação ilegal ao ódio na Internet.

"A luta contra o discurso de ódio na Internet ainda não chegou ao fim e não temos evidência de que tal conteúdo tenha diminuído nas plataformas das redes sociais. Quero ser muito clara e dizer que os bons resultados deste exercício de monitorização não significam que as empresas já estão a salvo de críticas", disse Věra Jourová, comissária europeia para a Justiça, em conferência de imprensa, segunda-feira, em Bruxelas.

"Vamos continuar a monitorizar estes casos muito de perto e considerar medidas adicionais se os seus esforços diminuírem", acrescentou a comissária.

O Código de Conduta foi lançado em 2016 e a adesão das empresas é voluntária, mas a Comissão admite criar legislação vinculativa se notar menor cooperação.

Até agora são oito as empresas que o assinaram e em breve juntar-se-á a empresa francesa jeuxvideo.com

  • As plataformas participantes conseguem analisar 89 % dos conteúdos assinalados no prazo de 24 horas
  • 72 % daqueles que foram considerados ilegais foram eliminados

O executivo europeu considera que a taxa de remoção indica que a análise efetuada pelas empresas continua a respeitar a liberdade de expressão.

As mensagens que podem ser vistas como incitamento ao ódio visam algumas comunicadas com particular relevo.

Os temas da migração, islamismo e orientação sexual são aqueles que levam a mais denúncias.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Mais de metade dos internautas usam redes sociais diariamente

"Breves de Bruxelas": Discurso do ódio, Hungria, Polónia e Irlanda

Macron enfrenta manifestantes na Feira de Agricultura de Paris