"Breves de Bruxelas": Esquerda, consumidor, Frontex, terrorismo

"Breves de Bruxelas": Esquerda, consumidor, Frontex, terrorismo
Direitos de autor REUTERS/Gonzalo Fuentes
De  Isabel Marques da Silva
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

"Breves de Bruxelas": Esquerda, consumidor, Frontex, terrorismo

PUBLICIDADE

"Por uma Europa do povo, não da capital!”, é o lema do Partido Esquerda Europeia, que apresentou o programa para as eleições europeias, quarta-feira, em Estrasburgo (França). O grupo que agrega as forças comunistas no Parlamento Europeu defende uma União que dê prioridade ao pilar social.

Este é o tema de abertura do programa "Breves de Bruxelas", que passa em revista a atualidade europeia diária. Em destaque estão, também, as seguintes notícias:

  • O Parlamento Europeu reforçou as regras em matéria de defesa do consumidor, incluindo mais transparência nas compras feitas através da Internet. A diretiva esclarece como lidar com qualidade dupla de produtos e estabelece multas que podem atingir 4% do volume de negócios anual do comerciante.
  • As plataformas digitais (sobretudo as multinacionais como Facebook e YouTube) devem remover os conteúdos que promovem o terrorismo no máximo de uma hora após terem recebido uma notificação das autoridades. A medida de luta contra a propaganda extremista foi aprovada pelo Parlamento Europeu com 308 votos a favor, 204 contra e 70 abstenções.
  • A agência europeia Frontex terá um corpo permanente de 10 mil guardas fronteiriços e costeiros efetivos até 2027. Portugal terá de disponibilizar 121 agentes do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF). O reforço dos meios de combate ao crime e à migração irregular nas fronteiras exteriores da União Europeia foi aprovado, quarta-feira, pelo Parlamento Europeu.
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Frontex vai ter 10 mil efetivos europeus

PE cria novas regras contra promoção do terrorismo na Net

Macron considera ataque do Irão "desproporcionado," mas pede a Israel para evitar "escalada"