Nomeação de Elisa Ferreira recebe "luz verde"

Nomeação de Elisa Ferreira recebe "luz verde"
De  Rodrigo BarbosaIsabel Marques da Silva com Lusa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Deputados europeus aprovaram designação de Elisa Ferreira como comissária europeia para a Coesão e Reformas

PUBLICIDADE

A nomeação de Elisa Ferreira para o cargo de comissária europeia para Coesão e Reformas recebeu a "luz verde" dos deputados europeus.

A ex-ministra socialista foi ouvida e questionada esta quarta-feira numa audição na comissão de Desenvolvimento Regional da assembleia europeia, na qual descreveu as "tarefas fundamentais" das funções que se dispõe a assumir e durante a qual prometeu defender "o valor mais elevado possível" para alocar às políticas de coesão no próximo orçamento da União Europeia, apesar do corte de 10% contemplado na proposta apresentada em Maio.

Elisa Ferreira: "Na Comissão e seja onde for, irei apoiar sempre o valor mais elevado possível, não por ser candidata a este cargo, mas por acreditar que a Europa não se pode alargar ou desenvolver e continuar a reduzir os meios de apoio às suas políticas."

Eurodeputados do PSD, BE e PS saudaram "o recuo" da comissária europeia designada por Portugal relativamente à proposta da Comissão para a coesão, depois de, em respostas escritas enviadas ao Parlamento Europeu na semana passada, Elisa Ferreira ter indicado que os cortes previstos no orçamento 2021-2027 são "moderados" e "o melhor cenário possível" face ao atual contexto.

José Gusmão, eurodeputado do Bloco de Esquerda: "Houve de facto um recuo em relação à formulação das respostas escritas, que apoiavam os cortes na coesão, para um compromisso de se bater, com o apoio do Parlamento - que terá -, para que não haja cortes na política de coesão. Esse é um compromisso que apoiamos e, naturalmente, iremos acompanhar."

José Manuel Fernandes, eurodeputado do PSD: "A comissária indigitada chumbou na prova escrita, mas passou na prova oral. Por isso, há uma contradição entre o que escreveu e o que, depois, acabou por dizer. Nós nunca poderiamos aceitar um corte de 10% na política de coesão."

Elisa Ferreira assumirá a 1 de novembro a pasta na Comissão dirigida por Ursula von der Leyen, sendo a primeira mulher portuguesa a integrar o executivo comunitário desde que Portugal aderiu à comunidade europeia.

Isabel Marques da Silva, euronews: "Apesar de Elisa Ferreira se querer colocar ao lado dos eurodeputados sobre a necessidade de não haver cortes no próximo orçamento plurianual, a verdade é que há uma grande divisão entre os Estados-membros. Países como a Alemanha até podem querer ainda alguma margem de manobra, mas os Estados nórdicos estão decididamente contra aumentos no orçamento. Esta negociação pode durar ainda alguns meses, até à Primavera. Só nesse altura é que se saberá quanto dinheiro vai haver disponível para a política de coesão."

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Romena Adina-Ioana Vălean passou na audição no PE

Quase dois terços dos cidadãos da UE "provavelmente" vão votar nas eleições de junho, segundo uma nova sondagem

UE quer alargar as sanções contra o Irão na sequência do ataque a Israel