UE vai tentar salvar acordo sobre migração com a Turquia

Um trabalhador de ONG distribui leite para crianças na fronteira entre a Turquia e a Grécia
Um trabalhador de ONG distribui leite para crianças na fronteira entre a Turquia e a Grécia Direitos de autor AP
Direitos de autor AP
De  Isabel Marques da SilvaStefan Grober
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A dificuldade da Grécia para receber as dezenas de milhares de refugiados que estão a sair da Turquia em busca de asilo na Uniao Europeia é reconhecida pelo executivo europeu.

PUBLICIDADE

A dificuldade da Grécia para receber as dezenas de milhares de refugiados que estão a sair da Turquia em busca de asilo na União Europeia é reconhecida pelo executivo europeu, na voz da comissária para os Assuntos Internos.

"Esta é, obviamente, uma situação muito séria e a Grécia precisa de todo o apoio da União Europeia, tanto da Comissão como dos outros Estados-membros", disse Ylva Johansson aos jornalistas, segunda-feira, em Bruxelas.

Os presidentes do Conselho, Comissão e Parlamento da União Europeia vão visitar a Grécia, terça-feira, para concretizar essa solidariedade.

Salvar acordo com Turquia

Já para com a Turquia, que passou das palavras aos atos numa antiga ameaça - com objetivo de ter o apoio europeu na sua ação militar na Síria -, haverá menos simpatia.

"Reconheço que a Turquia está numa situação difícil no que respeita aos refugiados e migrantes, mas aquilo a que estamos a assistir não pode ser uma resposta ou solução. Portanto, queremos estabelecemos um diálogo cada vez mais intenso com a Turquia", disse Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia.

Estão previstas várias reuniões, em Bruxelas, com ministros dos Estados-membros mais diretamente envolvidos na política migratória e de segurança de fronteiras, para tentar salvar o acordo que pôs um travão ao fluxo de pessoas, cujo pico foi atingido em 2015.

"O acordo de março de 2016 sobre a migração está seriamente danificado", disse, à euronews,Marc Pierini, analista político no centro de estudos Carnegie Europe, em Bruxelas.

"Os gregos dizem que não querem processar mais casos, os turcos dizem que o acordo continua válido, mas ao mesmo tempo dizem querer uma solução totalmente diferente. Este acordo está seriamente em risco, neste momento. Não há razão para abandonar este acordo, porque a vida do sírios que já estão na Turquia é difícil e é necessário continuar a ajudá-los", acrescentou o analista.

A Turquia alberga 3,5 milhões de refugiados e aceitou um pacote de ajuda financeira de seis mil milhões de euros da União Europeia para manter essas pessoas dentro das suas fronteiras.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Ao início da manhã começou a ser atirado gás lacrimogéneo"

Turquia reforça policiamento de fronteiras

Presidente do Conselho Europeu alerta para "horas críticas" nos ataques Israel-Irão