Poder local europeu quer mais controlo sobre alojamento local

Access to the comments Comentários
De  Joao Duarte Ferreira
Poder local europeu quer mais controlo sobre alojamento local
Direitos de autor  Eric Risberg/ AP

A maior cidade dos Países Baixos, Amesterdão, tornou-se uma cidade muito sossegada.

Este ano o número de turistas caiu drasticamente, tal como aconteceu em muitos outros destinos turísticos europeus.

Mas isso não impede o poder local de querer controlar o mercado dos alojamentos locais de curta duração.

Os presidentes da câmara de Paris, Berlim e Amesterdão querem mais poderes para fazer frente a plataformas como a AirBnB.

Para tal, querem a ajuda da União Europeia.

"As pessoas queixam-se muito do facto de que perturbam a vizinhança e as suas vidas e há ainda o perigo maior de provocar falta de habitações em Amesterdão. Não queremos apartamentos residenciais transformados em apartamentos de hotel, os apartamentos são para se viver e não receber hóspedes de hotel, é para isso que existem os hóteis", afirma Albert Eefting, gestor do Programa de Habitação de Amesterdão.

Em dezembro do ano passado, o Tribunal Europeu de Justiça declarou a AirBnB como uma plataforma online e não uma empresa imobiliária.

Isso significa que não está sujeita às leis que regulam a habitação.

A Comissão Europeia está a preparar novas propostas sobre serviços digitais a anunciar ainda este ano e cujo objetivo seria melhor regulação no sector.

"Penso que todas as cidades europeias impuseram limites ao número de noites. Os apartamentos residenciais são para viver e não utilizar como hotel, por isso há que limitar o número de noites e isso varia de cidade para cidade. É importante que hajam restrições no número de noites alugadas. Eles devem saber quantas noites são alugadas e essa informação encontra-se na plataforma pois são eles que controlam o sistema de reservas. Nós não", remata Albert Eefting.

Muitos residentes locais querem ver mudanças.

"Pessoas como eu não podem adquirir uma casa de momento porque é muito caro e os apartamentos mais pequenos, bem, também estamos afastados do mercado porque temos que competir com empresas enormes que adquirem os apartamentos para o AirBnB ou para qualquer tipo de aluguer" adianta uma residente local.

Para outros trata-se de uma questão de sossego.

"Há 12 anos que vivo aqui no centro e a quantidade de tempo em que há sossego nas ruas e ao fim do dia diminuiu mesmo" adianta outro residente.

A plataforma AirBnB afirma que está a colaborar com as autoridades europeias.

Funcionários em Amesterdão e não só estão determinados em mudar a situação.