Turquia ignora avisos da UE sobre atividades no Mediterrâneo

Turquia ignora avisos da UE sobre atividades no Mediterrâneo
Direitos de autor Euronews
De  Isabel Marques da SilvaEfi Koutsokosta
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A agenda da cimeira da União Europeia menciona a análise de questões de política externa na sexta-feira, mas eventuais sanções deverão ser adiadas para a cimeira de inverno, em dezembro.

PUBLICIDADE

Apesar dos avisos recentes da União Europeia sobre possíveis sanções, a Turquia regressou às ações controversas no mar Mediterrâneo: o navio de exploração de recursos energéticos Oruç Reis entrou numa zona marítima alvo de contenda com a Grécia, o que reacendeu a tensão com esse país, sendo que as partes estão, desde o verão, num dos piores momentos da relação bilateral.

O governo de Ancara tem ignorado repetidamente os apelos da União Europeia para não provocar a Grécia nem o Chipre, dois dos seus Estados-membros, havendo novas vozes a pedir sanções.

“Espero que não haja mais Estados-membros que considerem que isto não é grave, que não é importante. O facto é que a Turquia está presente, militarmente, no Mediterrâneo Oriental, na Líbia, na Síria e em Nagorno-Karabach. O que é que ainda esperamos para enviar um sinal de firmeza à Turquia?", questionou Nathalie Loiseau, eurodeputada liberal francesa, em entrevista à euronews.

"Apelo veementemente ao Conselho Europeu para deixar de ser ingénuo e passivo e que expresse em ações a sua propalada solidariedade com a Grécia e com Chipre. Estes atos devem ser sanções”, afirmou a eurodeputada.

Na cimeira da União Europeia, há duas semanas, o bloco ameaçou aplicar sanções se a Turquia não mudasse de comportamento.Tendo visitado a Grécia e o Chipre, o chefe da diplomacia da Alemanha, Heiko Maas, tenta manter a chama do diálogo acesa.

“Queremos manter os esforços das últimas semanas, dos últimos meses, para criar espaço para o diálogo sobre este assunto ao nível do Conselho da União Europeia. Para isso, precisamos de um ambiente de confiança e de responsabilidade. Os desenvolvimento dos últimos dias não nos permitem ter esse ambiente", reconheceu o ministro alemão.

NATO seria mais respeitada como mediador

Mas haverá outras estratégias que poderiam ser testadas para levar o presidente da Turquia a inverter o curso ofensivo? O analista político Soner Cagaptay, diretor do Programa de Investigação sobre a Turquia no Instituto Washington, pensa que a NATO pode ter um maior papel.

"Enquanto as iniciativas políticas sobre a zona do Mediterraneo Oriental continuarem a excluir a Turquia, a Turquia vai continuar a combater essas iniciativas. Para a Turquia, os elos mais fracos na cadeia são a Grécia e o Chipre. Penso que não será a União Europeia, mas a NATO que poderá ter um papel importante", explicou o analista. 

"A Turquia encara a NATO como um grande árbitro, como uma potência neutra, da qual a Turquia e a Grécia são membros. Portanto, a NATO é vista como uma plataforma neutra, enquanto que a Turquia considera que a União Europeia é dominada pela França, mais inclinada a defender os governos de Atenas e de Nicósia", concluiu.

A agenda da cimeira da União Europeia menciona a análise de questões de política externa na sexta-feira, mas eventuais sanções deverão ser adiadas para a cimeira de inverno, em dezembro.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

NATO apela a "influência" da Turquia em Nagorno-Karabakh

Cimeira visa desbloquear impasses sobre Turquia e Bielorrússia

UE: Polónia submete proposta para pôr fim a processo por infração