EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Projeto salva Lido de Marseillan da erosão

Em parceria com The European Commission
Projeto salva Lido de Marseillan da erosão
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Aurora Velez
Publicado a
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

As obras, financiadas em parte pela União Europeia, permitem a manutenção de centenas de postos de trabalho.

O Lido de Marseillan é faixa costeira de 12 km que liga Marselha a Sète no sudeste de França. Esta estreita faixa de terra tem sido o escudo natural da albufeira de Thau. O lido e a lagoa formam um biótopo único, ameaçado durante décadas pela erosão e tempestades, agora um pouco mais abrigado, graças às colossais obras de infraestruturas que começaram há 17 anos e terminaram no ano passado.

"A ideia principal do projeto era dizer que não vamos instalar obras que nos permitam lutar contra o mar e a erosão, mas sim tentar lidar com ela. Vamos devolver espaço ao mar e, para isso, vamos mover a estrada para poder reconstituir uma praia de 70 metros de largura com estas dunas que a protegem", diz Yvon Iziquel, chefe do departamento de espaços naturais da aglomeração de Sète.

É um cordão dunar artificial com proteções e plantas para fixar a areia. O projeto inclui também - entre outras coisas - um caminho, parques de estacionamento e uma nova estrada mesmo ao lado do caminho-de-ferro. 

O orçamento total do projeto é de 55 milhões de euros, dos quais 28% provêm da política de coesão da UE e os restantes 72% do Estado francês, da região e do departamento.

Os riscos da proteção do Lido de Marseillan são elevados, porque a albufeira de Thau é uma bacia para a viticultura e para a cultura de bivalves. Só esta lagoa fornece 80% da produção de ostras e mexilhões na costa mediterrânica francesa. Se o Lido desaparecesse e o mar, que é mais salino, invadisse a lagoa, isso poria em perigo o ecossistema e a economia.

Diz Laurent Arcellat, cultivador de ostras: "Somos 500 a 550 ostreicultores, ou seja, empresas. Isso representa hoje entre 2000 e 5000 postos de trabalho. Se a ostreicultura parar amanhã, é um desastre económico, mas também um desastre ambiental. Ganhamos a vida com a nossa profissão. Representamos uma terra e podemos mostrá-la às pessoas ao longo de todo o ano, atraindo o turismo".

O atenuador de ondas é a parte chave deste projeto. Está sob a última linha de onda, a 350 metros do Lido e é uma estrutura geotêxtil de 2,4 km de comprimento, submersa e cheia de areia, para quebrar e enfraquecer as ondas. É uma solução inovadora da qual os locais se sentem orgulhosos.

François Commeinhes, Presidente da Câmara de Sète, diz: "O problema da erosão costeira é o mesmo em França, Espanha, Israel, Senegal e Flórida. E, claro, temos cada vez mais representantes de comunidades de todo o mundo que vêm ver o efeito e o resultado destas barras atenuadoras de ondas".

Ninguém para a erosão, mas o Lido de Marselha ganhou areia e tempo.

Partilhe esta notícia