EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Piscina sustentável de Bruxelas ensina a nadar e a poupar o ambiente

Em parceria com The European Commission
Piscina sustentável de Bruxelas ensina a nadar e a poupar o ambiente
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Claudio RosminoEuronews
Publicado a
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A renovação da antiga pisicina de uma universidade belga permitiu pôr a tecnologia ao serviço do ambiente e da comunidade. Hoje, as instalações acolhem mais pessoas e produzem energia para o campus universitário.

A piscina mais sustentável de Bruxelas está no Campus da Universidade Livre, em Etterbeek.

As instalações obsoletas, construídas em 1989, deram lugar, após alguns anos de obras de renovação, a um símbolo de como a tecnologia pode limitar o impacto das atividades humanas no ambiente.

A nova infraestrutura produz menos cerca de 500 toneladas de dióxido de carbono por ano do que as antigas.

Ao tratar as águas residuais e recolherem a chuva, consome 70% menos água do que uma piscina pública média. No final de um ano, isso significa uma poupança de 10 milhões de litros.

O consumo de energia tem sido minimizado graças a tecnologias eficientes, como a central de cogeração. Um sistema que produz tanto eletricidade, como calor, a partir da combustão de biomassa.

O engenheiro Sven de Bruyn explica que "as unidades de manuseamento de ar foram incorporadas na recuperação de energia, através da utilização de bombas de calor". O sistema permite retirar energia do ar e voltar a aplicála na piscina. ,"Isso representa cerca de 70% da poupança de energia. Por outro lado, instalámos a cogeração, ou seja, a produção de calor e de eletricidade ao mesmo tempo", revela. 

A piscina usa 60 % da eletricidade produzida pelo sistema de cogeração, os outros 40 % são para o resto do campus.

O investimento total no projeto foi de 7,8 milhões de euros, dos quais a política de coesão da União Europeia contribuiu com mais de dois milhões de euros.

O projeto, gerido pela universidade, é também sustentável em termos financeiros, graças ao número de utilizadores. 

"Duplicámos a capacidade da piscina. Antes tínhamos capacidade para 80 mil pessoas por ano, agora, a piscina pode servir 150 mil pessoas. E não temos só utilizadores das escolas, clubes, ou aulas de natação para crianças pequenas. Também temos naturistas que vêm para nadar. Temos mergulho , hóquei aquático, natação sincronizada, pólo aquático, natação em pista", conta o administrador das infraestruturas desportivas da universidade, Dirk Van de Wiele.

Hoje, com a nova piscina, tanto utilizadores, como professores, usufruem de melhores condições para nadar. A base da piscina de ensino pode ir de algumas dezenas de centímetros até aos dois metros de profundidade.

Kristine de Martelaer é professora de educação física no local e diz estar rendida às possibilidades das novas instalações. 

"Ensinar aqui é mais fácil do que ensinar noutra piscina. Ficámos tão felizes por termos uma piscina como um laboratório vivo, por causa da qualidade da água. É como se fosse mais suave do que noutras piscinas. É também a qualidade do ar. A novidade está nesta pequena piscina, com fundo móvel. Assim, se tivermos um grupo para fazer atividades com uma certa profundidade, podemos adaptá-la de um grupo para o outro", conta.

Partilhe esta notícia

Notícias relacionadas

Aldeia francesa cria economia circular em torno do aquecimento

Um microchip para lutar contra as redes de pesca perdidas no mar

Ciclovia transfronteiriça liga Península Ibérica à Europa