EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Três eurodeputados catalães poderão perder a imunidade

Três eurodeputados catalães poderão perder a imunidade
Direitos de autor Olivier Matthys/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved
Direitos de autor Olivier Matthys/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved
De  Isabel Marques da SilvaAna Valiente
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os políticos pró-independência Carles Puigdemont, Clara Ponsatí e Antoni Comín são alvo de pedidos de extradição por parte da justiça espanhola por causa do referendo de 2017.

PUBLICIDADE

Dentro de duas semanas, tres espanhóis eleitos pela Catalunha poderão perder a imunidade de que gozam enquanto eurodeputados.

Isso acontecerá se a sessão plenária do Parlamento Europeu seguir o sentido da votação, na terça-feira passada, na Comissão dos Assuntos Jurídicos.

Os políticos pró-independência Carles Puigdemont, Clara Ponsatí e Antoni Comín são alvo de pedidos de extradição por parte da justiça espanhola por causa do referendo de 2017.

O ex-presidente do governo catalão, Carles Puigdemont, que está como independente no hemiciclo (bem como os outros dois eleitos) diz que o procedimento não foi imparcial.

"Há uma representação exagerada de eurodeputados espanhóis na Comissão dos Assuntos Jurídicos. É uma vergonha que sejam passados documentos confidenciais e se façam julgamentos políticos na imprensa espanhola de direita e de extrema-direita para tentar pressionar a opinião dos eurodeputados de outras famílias políticas", disse Carles Puigdemont, em entrevista à euronews.

A Comissão de Assuntos Jurídicos tem 25 membros permanentes, dos quais cinco são espanhóis, contando com o presidente da mesma, o liberal Adrián Vázquez Lazara. Segundo este eurodeputado, as regras foram seguidas à risca e há duas razões que levaram à decisão favorável de levantar a imunidade.

"A primeira é que o pedido de um Estado-membro para investigar ou processar um eurodeputado não se baseia numa opinião ou voto emitido por um membro do Parlamento Europeu. A segunda, muito importante, é que o processo judicial foi iniciado antes de essa pessoa ter tomado posse do cargo de eurodeputado", explicou Adrián Vázquez Lazara à euronews.

Sem imunidade parlamentar, os três eurodeputados vêem aumentadas as possibilidades de extradição. Mas a palavra final cabe ao Tribunal de Recurso de Bruxelas que, no início de janeiro, recusou o pedido da justiça espanhola no caso do ex-ministro da Cultura da Catalunha, Lluís Puig, também exilado na Bélgica.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Parlamento europeu vota levantamento da imunidade de Puigdemont

Aumentam preocupações com as propostas económicas dos partidos antes das eleições francesas

Roménia vai enviar sistema de mísseis Patriot para a Ucrânia