Covid-19: Certificado poderá entrar em vigor a 21 de junho

Covid-19: Certificado poderá entrar em vigor a 21 de junho
Direitos de autor Francois Mori/Copyright 2017 The Associated Press. All rights reserved.
De  Isabel Marques da SilvaLazlo Arato
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Tendo em conta a lentidão na vacinação, os eurodeputados apelaram para serem tomadas medidas legislativa que permitam descer os preços dos testes PCR, tornando-os até gratuitos para uma parte população.

PUBLICIDADE

A Comissão Europeia prevê que a 21 de Junho possa entrar em vigor o certificado de saúde pessoal relativo à Covid-19, que visa facilitar a circulação de pessoas no interior da União Europeia.

No início de junho começará um projeto-piloto para testar a sua aplicação, disse o comissário europeu da Justiça, Didier Reynders, numa audição, terça-feira, com eurodeputados, sendo que alguns estão preocupados com a possíveis casos de discriminação.

"Uma vez que os Estados-membros comecem a usar este certificado também para efeitos internos, como, por exemplo, para permitir o acesso a restaurantes ou a outros serviços, será importante que não façam distinção entre os cidadãos vindos de outros países da União Europeia e os seus cidadãos. O certificado, e não outro tipo de documento, também deve poder ser utilizado pelos cidadãos da União Europeia, depois de cruzarem a fronteira, para usufruirem dos serviços", disse Tieneke Stirk, eurodeputada neerlandesa dos verdes, em entrevista à euronews.

Documento não é obrigatório

O executivo comunitário sublinha que o certificado verde digital, que também tem uma versão em papel, não é obrigatório e que os cidadãos poderão optar por viajar sem ele e cumprir as regras em vigor, sobre testes e quarentena, nos países que visitarem.

"A Comissão está a trabalhar, arduamente, para garantir uma ampla cobertura de vacinação da população europeia, por forma a evitar a discriminação de indivíduos que ainda não foram vacinados. A proposta de regulamento permite assegurar que há um certificado de vacinação, aceite e inter-operável entre países, mas também que vai incluir resultados de testes e dados sobre a imunidade por recuperação da Covid-19", disse Didier Reynders, comissário europeu para a Justiça, durante a sessão.

Tendo em conta a lentidão na vacinação, os eurodeputados apelaram para serem tomadas medidas legislativa que permitam descer os preços dos testes PCR, tornando-os até gratuitos para uma parte população.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Certificado digital europeu tem luz verde

Parlamento Europeu quer testes PCR gratuitos para todos

Operadores do turismo anseiam por certificado Covid-19