EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

UE focada em manter aeroporto de Cabul operacional

UE focada em manter aeroporto de Cabul operacional
Direitos de autor Wali Sabawoon/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved.
Direitos de autor Wali Sabawoon/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved.
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Operações internacionais de evacuação prosseguem em contrarrelógio

PUBLICIDADE

Para os líderes políticos europeus, o atentando no aeroporto de Cabul serviu para perceber que qualquer ato adicional de terrorismo deve ser prevenido. Mas à medida que as tropas do velho continente deixam o Afeganistão, essa missão torna-se cada vez mais difícil.

O porta-voz da Comissão Europeia para os Negócios Estrangeiros, Peter Stano, disse, em entrevista à Euronews, que a prioridade passa por garantir que o aeroporto é seguro: "Todos os esforços, em conjunto com os Estados-membros e com outros parceiros, estão orientados para conseguir tirar do país todas as pessoas que precisam de sair. A segunda prioridade é assegurar que o aeroporto de Cabul continua operacional, porque haverá vida depois de 31 de agosto e o aeroporto de Cabul é um ponto de entrada importante para entregas relacionadas com ajuda humanitária, por exemplo, no Afeganistão."

Mais de 400 funcionários europeus e colaboradores já deixaram o Afeganistão. Polónia, Hungria, Países Baixos, Dinamarca, Alemanha e Bélgica já encerraram operações de evacuação.

Desconhece-se o número total de pessoas por sair em plena contagem decrescente para 31 de agosto, altura em que os talibãs tomarão conta do aeroporto.

O que aconteceu no Afeganistão, sublinhou o antigo embaixador de França nos EUA Gérard Araud, deve servir de alerta para as potências europeias: "Quando os americanos tomam uma decisão importante, não consultam os aliados. Por isso não devemos amurar ou lamentar. Isso faz parte do acordo. O segundo elemento, do lado da União Europeia, é que não é uma potência geopolítica. Por isso, é capaz de fornecer ajuda, de trabalhar em questões transnacionais, mas não é uma potência militar."

Na próxima semana os ministros europeus do Interior, Defesa e Negócios Estrangeiros realizam uma série de encontros. O Afeganistão deverá dominar a agenda.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Os piores receios já passaram" para o primeiro-ministro eslovaco Robert Fico

Um meteoro ou meteorito? O que iluminou os céus de Portugal e Espanha na noite passada?

Pedro Sánchez vai propor ao parlamento espanhol o reconhecimento do Estado palestiniano