EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Jovem do Togo que "saiu do armário" procura refúgio na Bélgica

Jovem do Togo que "saiu do armário" procura refúgio na Bélgica
Direitos de autor Darko Vojinovic/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved
Direitos de autor Darko Vojinovic/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Em entrevista à Euronews, sob anonimato, falou do processo de procura de asilo. Hoje assinala-se Dia do "Coming Out"

PUBLICIDADE

No Togo, ser gay ainda é crime. Uma condenação à nascença que empurra muitos jovens para fora do país. Em entrevista à Euronews, sob anonimato, uma jovem do Togo contou a sua história de vida que é idêntica à de tantos outros que se sentem obrigados a sair do país.

"Não posso dizer nada a ninguém, porque quando as pessoas descobrem as coisas tornam-se complicadas. Podem até matar. Quem é que vai querer saber de nós depois de morrermos? Ninguém. Porque somos como uma abominação. Não somos o que Deus quer. O normal é estar com um homem. Para nós, não é possível ter vida", lamentou a requerente de asilo, que preferiu não revelar a identidade.

Fluente em Inglês e Francês, sonha ser enfermeira. Pediu asilo na Bélgica por perseguição relacionada com a orientação sexual. Enquanto aguarda pela próxima entrevista do processo de requerimento está instalada num local seguro em Bruxelas.

"Para mim a vida era do tipo: talvez amanhã, talvez não esteja viva, talvez morra", acrescentou.

Para ajudar pessoas nesta situação, Bruxelas apresentou uma estratégia em nome dos direitos da comunidade LGBTQI (Lésbica, Gay, Bissexual, Transgénero, Queer e Intersexo). A ambição é liderar o apelo à igualdade deste grupo em todo o mundo.

Mas que influência poder um comissário europeu a partir de Bruxelas sobre os países que podem recorrer à pena de morte para castigar a diferença?

"Financiamos organizações não-governamentais nestes países para serem mais ativos e poderem desenvolver mais políticas nesta matéria", revelou a comissária europeia para a Igualdade, Helena Dalli.

A associação ILGA Europa trabalha para assegurar que os requerentes de asilo da comunidade LGBTQI são tratados de forma justa. À frente da organização, Katrin Hugendubel considera que a União Europeia está a agir corretamente ao colocar o problema no topo da agenda.

"Existem elementos na estratégia. Então há muito trabalho da parte da agência de asilo, em termos de preparação, de diretrizes, a nível nacional, apoiando os Estados-membros. Penso que esses elementos serão essenciais para tornar essa proteção uma realidade para as pessoas que chegam à Europa", lembrou Katrin Hugendubel.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Presidente do PPE diz que grupo tem a "porta aberta" para o partido rival de Orbán

Homem com "ligações à extrema-direita" detido por ataques com faca a crianças na Finlândia

Princesa de Gales fala sobre os tratamentos para o cancro: "Estou a fazer progressos"