EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Motoristas ao serviço da "Uber" protestam em Bruxelas

Motoristas ao serviço da "Uber" protestam em Bruxelas
Direitos de autor AP Photo
Direitos de autor AP Photo
De  Euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Manifestação, que teve como pano de fundo as condições de trabalho e precariedade, acabou por ser simbólica

PUBLICIDADE

O protesto de motoristas da plataforma digital "Uber" convocado para hoje em Bruxelas acabou por ser meramente simbólico.

Apesar do pouco impacto, os manifestantes não perderam tração.

Protestaram contra o ambiente de trabalho na chamada "gig economy" - que alguns apelidam de "economia dos biscates" - em plena contagem decrescente para a apresentação da proposta da Comissão Europeia destinada a melhorar as condições laborais no setor. Deverá ser conhecida no final do ano.

Em setembro, o Parlamento Europeu alertou para a precariedade e condições de trabalho dos profissionais ao serviço das plataformas digitais.

"As plataformas digitais encontraram uma forma de tirar proveito do estatuto dos trabalhadores independentes e dos empregados. Mas os trabalhadores é que sofrem os inconvenientes. As plataformas utilizam de forma fraudulenta o estatuto de trabalhador independente para não assumir as responsabilidades como empregadores", denunciou, em entrevista à Euronews, a eurodeputada francesa do Grupo da Esquerda, Leïla Chaibi.

As condições de trabalho não são o único problema.

O sindicato de taxistas que conseguiu expulsar a "Uber" de Barcelona duas vezes alerta para os riscos da falta de controlo dos algoritmos usados.

Um estudo feito pelo mesmo sindicato investigou como os algoritmos das plataformas "Uber", "Cabify" e "Bolt" se monitorizam para elevar os preços.

"Assim que um aumenta o preço, é ativada uma tarifa dinâmica. Os outros detetam e também aumentam o preço. Está tudo correlacionado, monitorizam-se uns aos outros. E isto é completamente proibido. Concertar os preços é como criar um cartel. O algoritmo é a forma encontrada para quebrar o contrato laboral", ressalvou Alberto Álvarez, porta-voz do sindicato Élite Taxi.

Os algoritmos são considerados um segredo comercial. Mas decidem preços e horários de trabalho.

Na União Europeia, 11% da força de trabalho já esteve ao serviço de operadores de plataformas digitais, de acordo com dados divulgados pelo executivo comunitário. O número continua a crescer.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Uber Files" : violência e lóbi político

As más práticas da Uber

Presidente da Argentina recebe medalha de ouro em Madrid, sem direito a honras de Estado