EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Tensões no leste europeu e Covid-19 aquecem cimeira de líderes da UE

Tensões no leste europeu e Covid-19 aquecem cimeira de líderes da UE
Direitos de autor Olivier Hoslet/AP
Direitos de autor Olivier Hoslet/AP
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Chefes de Estado e de Governo da União Europeia deixaram claro que qualquer agressão militar por parte de Moscovo na fronteira com a Ucrânia terá consequências massivas

PUBLICIDADE

Vacinação e coordenação continua a ser o mantra oficial dos líderes europeus quando o assunto é a pandemia de Covid-19 e a nova variante Ómicron.

Na cimeira desta quinta-feira, em Bruxelas, tornou-se evidente a irritação porque Itália, Portugal, Grécia e Irlanda, decidiram exigir à chegada dos passageiros um teste PCR além do certificado de vacinação obrigatório para viajar.

Roma ainda não está a postos para mudar de ideias.

Por isso, os chefes de Estado e de Governo dos 27 pediram à Comissão Europeia para trabalhar na validade dos Certificados Digitais Covid da União Europeia.

O objetivo é salvar o documento e torná-lo uniforme para todo o bloco.

"Se tivermos novos regulamentos nacionais individuais, como é que convencemos as pessoas a vacinar-se? Porque o fato é que se temos este certificado é para mostrar às pessoas que é decisivo poder abrir as portas e ter mais liberdades. Se não se fizer a diferença entre pessoas vacinadas e não vacinadas, porque é preciso um teste PCR, penso que é uma ideia errada," sublinhou o primeiro-ministro do Luxemburgo, Xavier Bettel.

Outro tema quente da cimeira de Bruxelas: lidar com a Rússia e o reforço de tropas junto à fronteira com a Ucrânia.

Alguns Estados-membros pressionaram o novo chanceler alemão - que se estreou nas cimeiras europeias - para congelar o projeto do gasoduto Nord Stream 2.

Os 27 acabaram por reiterar o apoio à soberania e à integridade territorial da Ucrânia. Ressalvaram que qualquer agressão militar da parte de Moscovo terá consequências massivas.

"A prioridade é evitar uma escalada. Mas está claro que, de um ponto de vista europeu e do ponto de vista da NATO, tem de ficar muito bem assente que a integridade territorial da Ucrânia tem de permanecer intocável," ressalvou o primeiro-ministro belga, Alexander de Croo.

A evolução dos preços da energia também gerou divisões.

Hungria e Polónia defendem o fim de alguns elementos do Pacto Ecológico Europeu que entendem ter um custo pesado nas contas das famílias.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Aumentam restrições na Europa dos 27

Faltou consenso no final da Cimeira Europeia

Presidente da Argentina recebe medalha de ouro em Madrid, sem direito a honras de Estado