Vítimas da "Covid persistente" queixam-se de falta de apoio

Vítimas da "Covid persistente" queixam-se de falta de apoio
Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Oliver Gray, um consultor britânico a viver e a trabalhar em Bruxelas, continua sem recuperar o olfato e o paladar após ser contaminado com a Covid-19

PUBLICIDADE

Em todo o mundo são cada vez mais as pessoas que reportam casos de "Covid persistente", a designação usada para descrever situações em que os sintomas persistem meses após a cura declarada.

Oliver Gray é um consultor britânico que vive e trabalha em Bruxelas. Músico nos tempos livres, costumava correr mundo para explicar a lei europeia a vários clientes até que testou positivo à Covid-19, no final de 2020, e teve de abrandar o ritmo. Ainda não recuperou o olfato nem o paladar.

"A Covid-19 provoca uma espécie de shutdown, por assim dizer. O cérebro dói, sentimo-nos deslocados. Não estamos normais. Depois de algum tempo pensamos: será que alguma vez voltaremos ao normal?"

A pior parte para Oliver é a falta de apoio da sociedade e do sistema de saúde. É frequentemente acusado de ser preguiçoso e de ter excesso de peso.

"Não se trata só de não ter interesse no meu trabalho. Não me conseguia concentrar. Tinha medo de cometer erros. Sabia o que queria dizer. Sabia os nomes, como o nome de uma lei ou de um estudo, mas não conseguia dizê-los. Não era só esquecimento, era simplesmente inalcançável", lembrou o consultor, em entrevista à Euronews.

A fadiga contínua, confusão mental e os problemas de memória são sintomas que alguns doentes de um consultório médico em Charleroi, no sul da Bélgica, reportaram.

Desesperado para os ajudar, Marc Jamoulle tem vindo a documentar a situação. O médico quer mais recursos e reconhecimento para as vítimas da Covid-19 e espera que a pesquisa que está a fazer tenha mais sucesso do que a sua correspondência com as autoridades belgas.

"Eu estou bem, obrigado, mas meus pacientes estão num estado catastrófico. Se não forem ajudados, acabarão sem-teto, talvez excluídos socialmente ou terrivelmente humilhados por uma doença que os afeta e que ninguém reconhece. Uma doença que, neste momento, não tem tratamento. Há perspetivas - procuramos, procuramos, procuramos - mas não temos um tratamento particular."

A Organização Mundial de Saúde (OMS) também procura soluções. Em pesquisas recentes apelou aos políticos europeus para considerarem a complexidade da "Covid persistente" nas respostas que dão à sociedade.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ómicron ganha terreno na Europa

Quase dois terços dos cidadãos da UE "provavelmente" vão votar nas eleições de junho, segundo uma nova sondagem

UE quer alargar as sanções contra o Irão na sequência do ataque a Israel