A compra de objetos em segunda mão poupa toneladas de recursos

Em parceria com The European Commission
A compra de objetos em segunda mão poupa toneladas de recursos
Direitos de autor euronews
De  Aurora Velezeuronews
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Iniciativa europeia promove "parques de reutilização" (Smart Reuse Parks). Projeto reúne nove países.

Uma cooperativa em Vicenza é pioneira na arte de dar uma segunda vida aos objetos e gera empregos graças à economia circular.

Não muito longe do centro histórico da cidade italiana, os trabalhadores da cooperativa social Insieme recolhem todo o tipo de objetos que se destinavam à lixeira. Graças ao coletivo criado em 1979 os objetos são reciclados ou recondicionados, e depois vendidos.

A cooperativa é um dos chamados "parques inteligentes de reutilização" (em inglês _Smart Reuse Park_s) do projeto Surface. Uma iniciativa europeia que luta contra o desperdício, promove a reutilização de objectos, apoia projetos sociais e gera emprego.

"Gosto de vir aqui e comprar algo em segunda mão porque gosto da ideia de dar uma nova história a algo que já tem uma historia. Hoje estou à procura de joias. Mas se eu encontrar outra coisa, compro", afirmou Fedrica Santimária, cliente frequente da Cooperativa.

Projeto europeu Surface luta contra o desperdício

O projeto Surface reúne dez parceiros de nove países europeus (República Checa, Áustria, Alemanha, Itália, Hungria, Croácia, Polónia, Eslovénia, Bélgica) e tem uma duração de três anos. O orçamento total da iniciativa é de 2,16 milhões de euros. Um milhão e 780 mil euros provêm da política de coesão europeia. Em cinco anos houve 254 atividades, uma poupança de mais de 1600 toneladas de resíduos foram criados 253 empregos.

A integração sócio-profissional é uma das prioridades da estrutura.

“Aqui em Itália é o meu primeiro trabalho. Sem trabalho não se pode fazer nada. Ficamos na rua, sozinhos. Mas graças a Deus, consegui este trabalho, gosto muito, é óptimo", contou Sylvester Odijie, originário da Nigéria.

Mais de mil toneladas de materiais chegam todos os anos aos armazéns da cooperativa. 700 toneladas são recondicionadas e revendidas. As bicicletas, aparelhos elétricos e vestuário são os produtos que se vendem melhor. Graças a um ateliê de costura, foi possível implementar uma verdadeira economia circular.

Katharina Hoch recupera e arranja casacos que já ninguém quer para evitar que acabem numa lixeira. "São precisos 30 a 40 anos para que um casaco se decomponha na terra. Tentei transformar os casacos com um mínimo de esforço numa nova peça de vestuário", explicou Katharina Hoch.

Partilhe esta notícia

Notícias relacionadas

Renovação energética de bairro espanhol suscita interesse em toda a Europa