EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

"Comboio da liberdade" faz paragem pouco ruidosa em Bruxelas

"Comboio da liberdade" faz paragem pouco ruidosa em Bruxelas
Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Polícia belga antecipou chegada de manifestantes e evitou aproximação aos edifícios das instituições europeias

PUBLICIDADE

Os manifestantes do autointitulado "Comboio da Liberdade" partiram de França com a promessa de fazer barulho na capital belga, mas à chegada a Bruxelas, esta segunda-feira, não foram assim tão ruidosos.

Ao meio-dia, o movimento de protesto contra as restrições anti-Covid-19 reunia apenas cerca de cem pessoas num parque junto ao edifícios das instituições europeias.

Vários manifestantes fizeram questão de enumerar os motivos que os trouxeram para a rua.

"É muito importante que as pessoas vejam que não somos apenas um pequeno grupo de gente, mas que somos muitos povos juntos. Na Alemanha, o chanceler Olaf Scholz diz sempre que há apenas uma pequena parte da população que considera as restrições à Covid-19 muito fortes, mas esta manifestação não é só sobre a pandemia. É sobre tudo o que está errado neste momento", sublinhou Rudi Welsen, um manifestante.

Igor Pose, também em protesto, acrescentou: "Quero que a vacinação, os Certificados Digitais Covid-19 da UE (União Europeia) e todas as restrições terminem de uma vez por todas."

Depois de um fim de semana de alguma tensão verificado em Paris, as autoridades belgas anteciparam a chegada dos manifestantes ao país.

Várias viaturas foram controladas e desviadas para áreas nos arredores de Bruxelas.

A polícia belga preparou-se para o pior, mas acabou por não precisar de recorrer à força bruta para dispersar a grande manifestação europeia que estava anunciada.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

O que pode a UE esperar de uma candidata como Kamala Harris?

Meloni votou contra eleição de Costa, mas português começa périplo europeu por Roma

SIDA pode acabar até 2030 se líderes mundiais ajudarem a facilitar o acesso ao tratamento