This content is not available in your region

Primeira-ministra da Moldávia pede apoio para lidar com refugiados

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
Primeira-ministra da Moldávia pede apoio para lidar com refugiados
Direitos de autor  Olivier Douliery/AP

À medida que a ofensiva russa avança na Ucrânia, a vizinha Moldávia também acusa a pressão.

Em entrevista à Euronews, a primeira-ministra do país, Natalia Gavrilița, renovou pedidos de ajuda para lidar com o fluxo de refugiados sem precedentes.

"Estamos no nosso limite e precisamos de ajuda internacional para lidar com esta crise humanitária. Enquanto as ações militares prosseguirem no terreno, prevemos que a situação se mantenha. Pedimos com urgência a criação de corredores para outros países da Europa", sublinhou Gavrilița.

A Moldávia também diz sentir pressão em matéria de segurança, mas, para já, a primeira-ministra prefere evitar especulações sobre cenários possíveis.

A região separatista da Transnístria mantém-se independente com o auxílio de forças russas.

"Convivemos com a região separatista da Transnístria. Temos tropas russas estacionadas lá. Pedimos a retirada de tropas de forma consistente nos últimos 30 anos. Atualmente não vemos nenhum risco ou plano de envolvimento [no conflito na Ucrânia]. Mas, claro, a situação é incerta e depende da evolução na Ucrânia. Como disse, somos um país neutro e esperamos que todos os parceiros internacionais atuem de acordo com o princípio da neutralidade", insistiu Gavrilița.

A Moldávia, tal como a Geórgia e a Ucrânia submeteram um pedido de adesão oficial à União Europeia na semana passada.

No entanto, a primeira-ministra moldava faz questão de dizer que não pretende fazer o mesmo em relação à NATO.

"O princípio de neutralidade está consagrado na Constituição e continuaremos a lutar pela integração na União Europeia, mas não pela adesão à aliança da NATO", lembrou Natalia Gavrilița.

A Moldávia sabe que a integração no bloco europeu é um processo longo e complicado, mas acredita que mesmo a aceitação do estatuto de candidatura seria um símbolo importante para que os cidadãos moldavos saibam que são bem-vindos.