EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

UE acusa Rússia de "chantagem" por cortar gás à Polónia e Bulgária

Presidente da Comissão Europeia recebeu com indignação anúncio de cortes no fornecimento de gás à Polónia e Bulgária
Presidente da Comissão Europeia recebeu com indignação anúncio de cortes no fornecimento de gás à Polónia e Bulgária Direitos de autor Kenzo Tribouillard, Pool Photo via AP
Direitos de autor Kenzo Tribouillard, Pool Photo via AP
De  Pedro SacaduraMéabh Mc Mahon
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Comissão Europeia considera decisão "injustificada e inaceitável." Moscovo ameaça avançar com mais cortes se outros Estados-membros recusarem fazer pagamentos em rublos

PUBLICIDADE

"Um ato de chantagem." É a leitura que Bruxelas faz da decisão da empresa estatal russa Gazprom em avançar com cortes no fornecimento de gás por falta de pagamento em rublos.

A Polónia e à Bulgária, países que apoiam a Ucrânia, foram os primeiros alvos, esta quarta-feira.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, tentou acautelar qualquer nervosismo, assegurando o envio de gás a partir de outros Estados-membros, para que os consumidores não sejam ainda mais asfixiados.

"Não é surpresa nenhuma que o Kremlin recorra aos combustíveis fósseis para nos tentar chantagear. É uma coisa para a qual a Comissão Europeia se tem vindo a preparar, em estreita coordenação e solidariedade com os Estados-Membros e parceiros internacionais", sublinhou Ursula von der Leyen.

Quer a Polónia quer a Bulgária recusaram curvar-se às exigências da Gazprom. Os primeiros-ministros dos dois países não se mostraram intimidados e dizem ter alternativas viáveis. O chefe do executivo búlgaro, Kiril Petkov, acusou, também, a gigante estatal russa de "uma grave violação do contrato."

Sobre esse assunto, a presidente da Comissão Europeia acrescentou que os Estados-membros que fizerem pagamentos em rublos violarão as sanções da União Europeia contra a Rússia que estão em vigor.

De acordo com a Bloomberg, várias empresas do bloco capitularam às exigências da Rússia.

"Se isto não está previsto nos contratos, é uma violação das nossas sanções. Cerca de 97% dos contratos de empresas e de países europeus estipulam explicitamente que o pagamento deve ser feito em euros ou dólares", insistiu von der Leyen.

O Kremlin já fez saber que haverá mais cortes, caso outros Estados-membros recusem pagar o gás em rublos.

Martin Vladimirov, do Centro para o Estudo da Democracia, diz que faz tudo parte da estratégia de contra-ataque de Moscovo às sanções impostas pelo bloco comunitário: "o derradeiro objetivo não é punir a Bulgária ou a Polónia, que são pequenos consumidores de gás. Trata-se de mudar o pensamento dos países mais vulneráveis à manipulação do gás russo. São países como a Alemanha e Itália, que são os mais dependentes do gás na Europa, e isso determina a estratégia europeia geral em relação à Rússia."

O eurodeputado búlgaro Andrey Kovatchev, do grupo do Partido Popular Europeu, ressalvou que a **Rússia **está a intensificar o braço-de-ferro com o Ocidente.

Apontou o dedo a uma abordagem europeia débil ao longo de duas décadas.

"Somos muito lentos. Isso significa que a dependência da Rússia precisa parar. Uma coisa boa da decisão da Rússiaem cortar o gás à Polónia e à Bulgária talvez seja o fato de acordamos e entendermos que também podemos resistir sem a Rússia. Podemos encontrar as nossas fontes confiáveis sem a Rússia e garantir o nosso mix energético, porque essas fontes estão a ser usadas para fins políticos, geopolíticos e militares", disseKovatchev.

Enquanto isso, os embaixadores da União Europeia discutiram, esta quarta-feira, um sexto pacote de sanções contra a Rússia.

Poderão ser aprovadas na próxima semana, com um embargo ao petróleo e ao gás russo em cima da mesa. Um assunto que é tudo menos consensual.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ucrânia precisa de reforçar defesa aérea, alerta ministra dos Negócios Estrangeiros da Alemanha

Renew Europe vai votar a expulsão do partido holandês VVD a 10 de junho

Parlamento eslovaco aprova resolução que condena violência política e pede fim de cultura de "ódio"