EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Regresso às centrais a carvão? Alguns países dizem "sim"

O regresso ao carvão representa uma ameaça às ambições climáticas europeias
O regresso ao carvão representa uma ameaça às ambições climáticas europeias Direitos de autor Thanassis Stavrakis/AP
Direitos de autor Thanassis Stavrakis/AP
De  Gregoire Lory
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Na Áustria, central a carvão de Mellach está a postos para retomar atividade em caso de risco de rutura no fornecimento de gás russo, o que representa uma ameaça para metas climáticas

PUBLICIDADE

A Áustria prepara-se para reabrir a central a carvão de Mellach. Encerrada em 2020, poderá retomar o serviço para responder ao risco de rutura no fornecimento de gás russo por causa da guerra na Ucrânia e das sanções impostas pela União Europeia.

"Estamos a preparar-nos para o fato de não voltarmos a ter mais a mesma certeza sobre o fluxo de gás a que nos habituámos nos últimos anos e décadas (...). O carvão é uma possibilidade particular e pode ajudar a reduzir o consumo de gás", sublinhou, em entrevista à Euronews, Christof Kurzmann-Friedl, responsável pela central.

A Áustria não é caso único. Alemanha e França também fizeram anúncios idênticos sobre o carvão, o que representa uma ameaça para a meta europeia de reduzir em pelo menos 55% as emissões de gases com efeito de estufa até 2030.

O conflito na Ucrânia e as consequências económicas e energéticas parecem ameaçar as ambições climáticas europeias.

"O que é chocante é que nos permitimos voltar a ter e a reabrir centrais que são duas vezes mais poluentes do que as centrais a gás. Permitimos isso em vez de pedir uma diminuição do consumo de forma verdadeiramente ativa, ou seja, fazendo campanhas públicas como existia no passado", lamenta Geneviève Pons, diretora-geral para a Europa do Instituto Jacques Delors.

Para os defensores do clima, a guerra na Ucrânia não deve servir de desculpa para colocar em causa o Pacto Ecológico. Entendem que deve antes encorajar os Estados-Membros a agir mais rapidamente.

Apesar das brechas climáticas que estão a surgir, os 27 terão de manter a transição verde se quiserem respeitar os próprios compromissos.

As escolhas de hoje devem, por isso, determinar a escala da aceleração que terá de se atingir até 2030 para alcançar a neutralidade carbónica até 2050.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Aumenta a procura por carvão

126 milhões de euros em apoio militar para a Ucrânia ainda este ano, promete Portugal

Antigo chefe dos serviços secretos holandeses deverá ser o novo primeiro-ministro dos Países Baixos