Danos dos incêndios florestais na UE custaram 2 mil milhões em 2022

Access to the comments Comentários
De  euronews
Incêndio florestal em Gouveia, na Serra da Estrela, em agosto do ano passado
Incêndio florestal em Gouveia, na Serra da Estrela, em agosto do ano passado   -   Direitos de autor  AP Photo/Joao Henriques

O Comissário Europeu da Gestão de Crises, Janez Lenarčič, apelou, esta semana, a que a União Europeia aumente os investimentos na prevenção de incêndios florestais, uma vez que a época de incêndios está a tornar-se mais longa e mais alargada geograficamente.

"De acordo com o estudo do Banco Mundial realizado em conjunto com a Comissão Europeia, um euro investido na prevenção de incêndios florestais permite poupar dois euros em danos", realçou Lenarčič, acrescentando que os danos infligidos por incêndios florestais em 2022 estão estimados em "pelo menos dois mil milhões de euros".

O ano passado foi o segundo pior ano em termos de área ardida desde que os registos começaram em 2006, com pelo menos 800 mil hectares queimados em todo o bloco europeu.

Os incêndios foram alimentados por ondas de calor mais longas e repetidas e uma seca severa que afetou a maior parte do continente – fenómenos atribuídos às alterações climáticas.

No seminário europeu sobre lições aprendidas nos incêndios rurais de 2022, realizado em Lisboa, onde os ministros dos 27 Estados-membros se reuniram, Lenarčič disse que "mesmo os mais bem equipados, os Estados-membros mais bem preparados pediram assistência" em 2022.

Os Estados-membros da UE podem solicitar assistência através do Centro de Coordenação de Resposta de Emergência (CCRE). Parte do Mecanismo de Proteção Civil da UE, pode ser ativado pelas autoridades nacionais quando os seus próprios recursos de emergência não chegam para enfrentar um desastre.

Em 2022, o CCRE tinha uma capacidade de reserva, denominada rescEU, de 12 aeronaves de combate a incêndios e um helicóptero. Estes são, na verdade, emprestados pelos Estados-Membros, mas a Comissão cobre os seus custos operacionais quando enviados através do CCRE.

Centenas de bombeiros foram preposicionados na Grécia durante os meses de verão, uma medida-piloto adotada durante as "lições aprendidas" anteriores após os incêndios apocalípticos no país em 2021.

"No verão passado, esta reserva europeia foi esgotada nalguns períodos, mais do que uma vez. Não tivemos capacidade extra ao nível europeu para ajudar os países afetados", disse Lenarčič, esta terça-feira.

O Comissário Europeu da Gestão de Crises acrescentou que isso se deve em parte aos incêndios florestais que agora começam mais cedo e terminam mais tarde, bem como aos incêndios florestais que afetam cada vez mais países, mesmo aqueles que, ao contrário dos países mediterrâneos, não eram tradicionalmente afetados.

A Comissão já anunciou novas medidas, incluindo a duplicação da capacidade da rescEU este ano. Também apresentou um Plano de Ação Europeu para a prevenção de incêndios florestais, que visa aumentar o financiamento para ações de prevenção de incêndios florestais.