EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Como regressar ao trabalho com cancro?

Em parceria com The European Commission
Como regressar ao trabalho com cancro?
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Aurora Velez
Publicado a
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Um projeto europeu desenvolveu um método com doentes, empresas e médicos para pessoas que querem voltar a trabalhar sofrendo de doença prolongada.

Cancro e trabalho: quebrar o tabu

Um projeto europeudesenvolveu um método com doentes, empresas e médicos para pessoas que querem voltar a trabalhar sofrendo de doença prolongada.

É uma doença em que se pode cair em depressão muito rapidamente. Mas quando se sabe que se está bem rodeado e que se tem chefes compreensivos que nos apoiam, isso faz com que se queira recuperar e seguir em frente", diz Sandrine Morizet, que ocupa o cargo de diretora num banco e que sofre de cancro.

Sandrine tem vindo a receber tratamento para o cancro da mama (há dois anos) no Hospital Oscar Lambret em Lille (França). Para ela, o regresso ao trabalho é essencial para a recuperação.

Com o sua oncologista, Laurence Vanlemmens, participa no "I-KNOW-HOW", um projeto-piloto europeu que visa aumentar em 15% o número de pacientes com doenças prolongadas que regressam ao trabalho.

Uma brochura, em papel e digital, é um dos frutos do projeto. Contém 13 fichas sobre: quem faz o quê, ligações úteis, momentos-chave e o feedback dos pacientes.

"Há folhetos que falam do momento do anúncio até se devemos dizer ao chefe... As pessoas podem clicar diretamente em links úteis. Podem ir à página da Segurança Social para ver em que consiste a consulta com o médico antes do regresso ao trabalho... O objetivo é acompanhá-los rapidamente e descobrir o que é melhor para os pacientes, afirma  Laurence Vanlemmens, oncologista do Hospital Oscar Lambret.

O orçamento total é de 4 milhões de euros (especificamente: 4.050.818 euros)) dos quais 2,4 milhões (2.430.250.89) foram fornecidos pela Política de Coesão Europeia e o resto pelos parceiros participantes.

A França, Bélgica, Holanda e Reino Unido estão envolvidos no projeto-piloto juntamente com prestadores de cuidados médicos, cidades, empresas e centenas de pacientes voluntários.

Sandrine regressou ao trabalho. Graças às contribuições dos vários participantes, o projeto propõe um roteiro para as empresas com informações e conselhos sobre como conciliar as necessidades do trabalhador com as perspetivas do empregador. O departamento de Recursos Humanos é fundamental.

"Não deve haver hesitação: tudo deve ser discutido com o funcionário. Porque no final, a pessoa tem menos tabus do que nós para lidar com a situação. Além disso, pode ter propostas para o seu regresso ao trabalho. Devemos estar abertos e fazer o possível para tentar que regresse se ele ou ela quiser, mas se a pessoa não estiver envolvida no seu regresso será inútil", aponta Arnaud Schwarshaupt, diretor do departamento de Recursos Humanos do CIC Nord Ouest.

O trabalho entre médicos, pacientes, empresas completa-se com a formação. E as boas práticas são partilhadas entre os parceiros do projeto, indica Isabel Weemaes, gestora do projeto "I-KNOW-HOW".

Há ainda muito a fazer em termos de legislação, cultura, mudança de mentalidade sobre o regresso ao trabalho e o papel do trabalho na vida das pessoas. "I-KNOW-HOW" é construído com base na premissa: "juntos vamos mais longe".

Partilhe esta notícia

Notícias relacionadas

Longas listas de espera e detecção tardia: Como o COVID-19 ainda afeta o rastreio do cancro