EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Eurodeputado belga Marc Tarabella detido pela polícia

Marc tarabella nega ter praticado quaisquer crimes e votou a favor do levantamento da sua imunidade parlamentar
Marc tarabella nega ter praticado quaisquer crimes e votou a favor do levantamento da sua imunidade parlamentar Direitos de autor European Union, 2020.
Direitos de autor European Union, 2020.
De  Jorge LiboreiroIsabel Marques da Silva
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

A polícia está a investigar práticas ilícitas de lóbi, alegadamente realizado pelo Qatar e Marrocos, numa tentativa de influenciar a tomada de decisões da UE.

PUBLICIDADE

O eurodeputado socialista belga Marc Tarabella foi detido, sexta-feira, pela polícia da Bélgica, no âmbito da investigação do caso de corrupção no Parlamento Europeu, alegadamente envolvendo autoridades do Qatar e de Marrocos como corruptores.

Tarabella vai ser presente a um juiz no prazo de 48 horas, que decidirá se fica em prisão preventiva - como três dos quatro acusados no caso - ou se terá outra medida de coação. O Ministério Público Federal belga confirmou a detenção à euronews, sem especificar as acusações em causa.

O eurodpedutado tem sempre negado qualquer ato ilegal e votou a favor do levantamento da sua imunidade parlamentar, na sessão plenária, a 2 de fevereiro, em Bruxelas, alegando que queria responder a todas as questões das autoridades.

Nessa votação, foi, também, levantada a imunidade do eurodeputado socialista italiano Andrea Cozzolino, que foi apontado como um dos arguidos como  membro da rede.

Desde que o escândalo surgiu, em meados de dezembro, quatro pessoas foram oficialmente acusadas: a eurodeputada grega socialista Eva Kaili, o seu companheiro Francesco Giorgi (italiano que era assisitente parlamentar), o ex-eurodeputado Pier Antonio Panzeri e o diretor de uma organização não-governamental, Niccolò Figà-Talamanca.

Os quatro foram acusados de participação numa organização criminosa, corrupção e branqueamento de capitais. Kaili, Giorgi e Panzeri permanecem na prisão, enquanto Figà-Talamanca foi libertada no início deste mês.

A polícia está a investigar práticas ilícitas de lóbi, alegadamente realizado pelo Qatar e Marrocos, numa tentativa de influenciar a tomada de decisões da UE. Tanto o Qatar como Marrocos negam as alegações.

A acusação menciona "grandes somas" de dinheiro e presentes "substanciais", tendo sido apreendidos mais de 1,5 milhões de euros em dinheiro, em várias rusgas policiais.

Panzeri, o presumível cabecilha, assinou um acordo com os procuradores em que admitiu a sua culpa e  se comprometeu a partilhar detalhes sobre o esquema.

Segundo os meios de comunicação belgas, Panzeri confessou ter entregue 120 mil euros a Tarabella, em várias prestações, para influenciar decisões sobre o Qatar. O advogado de Tarabella insiste que o seu cliente nunca aceitou qualquer dinheiro ou presente do Qatar.

Quem é Marc Tarabella?

Marc Tarabella, 59 anos, é eurodeputado desde 2004 e fez parte de várias comissões parlamentares, incluindo a delegação para as relações com a Península Árabe, que inclui o Qatar.

Em novembro, Tarabella defendeu os direitos laborais do Qatar no contexto do Campeonato Mundial de Futebol da FIFA, utilizando argumentos semelhantes aos que foram expressos por Eva Kaili, na mesma sessão plenária.

"Ainda há muito a fazer, mas (o Qatar) continua a ser o país que enveredou pelo caminho da reforma", disse Tarabella.

"O importante é que, quando as luzes do Campeonato do Mundo se apagarem, a evolução positiva continue não só no Qatar, mas possa estender-se a todos os países da Península Arábica", acrescentou.

No início de dezembro, Tarabella votou a favor de uma isenção de visto para os cidadãos do Qatar e do Kuwait, um dossiê legislativo que, desde então,foi suspenso.

Em janeiro, o advogado de Tarabella confirmou que este não tinha declarado uma viagem de trabalho que tinha feito ao Qatar em 2020.

O grupo socialistas e democratas suspendeu o eurodeputado, pelo que oficialmente passa a pertencer ao grupo dos não-inscritos (sem filiação partidária) e mantém um salário mensal líquidos de 7.146 euros.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Tarabella volta a clamar inocência em escândalo de corrupção parlamentar

Renovada pena de prisão preventiva para dois suspeitos de corrupção no PE

Quem é quem no escândalo de corrupção no Parlamento Europeu