Agricultores da Europa Central e de Leste protestam em Bruxelas

Agricultores protestam em Bruxelas
Agricultores protestam em Bruxelas Direitos de autor Euronews
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os produtores pediram ao comissário europeu da Agricultura que sejam tomadas medidas decisivas e de longo prazo quanto à importação de cereais ucranianos.

PUBLICIDADE

Agricultores da Europa Central e de Leste protestaram em Bruxelas. Exigem que a União Europeia tome medidas decisivas e de longo prazo quanto à importação de cereais ucranianos, que estão a causar tensões na região.

No ano passado, Bruxelas suspendeu as taxas aduaneiras sobre os produtos agrícolas ucranianos, mas os agricultores dos países vizinhos dizem estar a ser afetados.

“Precisamos de algumas medidas para que eles transitem pelos nossos países, mas não fiquem lá. Precisamos que os cereais saiam para os países mais pobres, para África, porque temos muitos cereais para vender... os nossos”, diz Darie Bizu, agricultor romeno.

No final de abril, a União Europeia chegou a acordo com 5 Estados-membros, permitindo-lhes que parassem de vender e armazenar cereais ucranianos nos seus territórios e atribuindo-lhes ainda um apoio financeiro de 100 milhões de euros. Mas o acordo expira no dia 5 de junho.

Agora, os agricultores exigem fundos adicionais de Bruxelas e medidas mais fortes, como controlos de qualidade mais exigentes para importações. Os produtores do leste dizem que não podem competir com os ucranianos, pois estes não estão submetidos às regras rígidas da União.

"Um produtor ucraniano não produz nas mesmas condições que um produtor da União Europeia. Temos regulamentos verdes que são obrigatórios na UE e o uso de produtos químicos na Ucrânia, que são proibidos há muito tempo na UE", aponta József Luzsi, vice-presidente da Câmara de Agricultura Húngara.

Os agricultores apresentaram as reivindicações ao comissário europeu da agricultura, Janusz Wojciechowski. Miriam Garcia Ferrer, porta-voz da Comissão, diz que antes de tomar qualquer nova medida, Bruxelas espera que todos os Estados-membros implementem os acordos anteriores e retirem as proibições unilaterais de importação... coisa que a Hungria ainda não fez. "Neste momento, ainda estamos à espera da eliminação de algumas das medidas nacionais unilaterais que tinham sido introduzidas, antes de seguirmos os próximos passos."

Outros países que estão a pedir ajuda financeira para enfrentar problemas como a seca alertaram que a ajuda aos agricultores do leste não pode ser feita à custa de outras situações prementes.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Von der Leyan renova apelo à aquisão conjunta de armas na UE

Viúva de Navalny pede investigação das ligações financeiras de Putin ao Ocidente

UE arrisca-se a ser cúmplice da morte de migrantes devido à inação da Frontex, alerta Provedora de Justiça Europeia