EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Comissão Europeia pede reforço do orçamento até 2027

Johannes Hahn, comissário europeu para o Orçamento
Johannes Hahn, comissário europeu para o Orçamento Direitos de autor Virginia Mayo/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Virginia Mayo/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Stefan GrobeIsabel Marques da Silva
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

As despesas estão a aumentar e as reservas a esgotam-se rapidamente, diz a Comissão Europeia, que pediu aos Estados-membros que ajudem a reforçar o orçamento da União Eurpopeia (UE).

PUBLICIDADE

O valor do orçamento comunitário para 2021-2027 é de 1,8 biliões de euros, incluindo os 750 mil milhões de euros destinados a mitigar os efeitos da pandemia, mas há fatores que estão a esvaziar os cofres mais rapidamente.

Entre eles estão as taxas de juro mais altas referentes a empréstimos bancários obtidos pela UE para lidar com a pandemia, bem como o apoio à Ucrânia, a nível militar e civil. 

"A minha mensagem para os primeiros-ministros e os ministros das Finanças foi clara: se queremos ser um ator político e económico sério a nível global, precisamos de mais recursos", disse Johannes Hahn, comissário europeu para o Orçamento, terça-feira, em conferência de imprensa, em Bruxelas.

Só para a ajuda à Ucrânia serão necessários mais 50 mil milhões de euros, para equilibrar o orçamento do país devastado pela guerra e dar início aos esforços de reconstrução.

Uma injeção adicional de 15 mil milhões de euros destina-se às políticas de migração e asilo, incluindo ajuda aos países de África e do Médio Oriente, de onde partem muitos dos que querem chegar à UE.

Outro reforço de dez mil milhões de euros é necessário para a competitividade da economia europeia.

Parlmento Europeu preparado para a negociação

Mas o pedido já está a ser confrontado com forte oposição de Estados-membros, tais como a Alemanha e os Paises Baixos, que não estão dispostos a fazer reforços, o que é criticado pelo Parlamento Europeu.

"Isto é uma negociação. Precisamos de dinheiro fresco porque há novas iniciativas. É o nosso desafio e precisamos de negociar", disse Margarida Marques, eurodeputada portuguesa do centro-esquerda, que trabalhou na elaboração do orçamento.

O executivo comunitário quer chegar acordo até novembro e o tema será analisado na cimeira da UE, em Bruxelas, a 29 e 30 de junho, mas será de difícil consenso.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ecofin mais perto do consenso para reforma fiscal na União Europeia

"Estado da União": reforço financeiro, incluindo para ajudar Ucrânia

Como é que Itália vê a abertura de Ursula von der Leyen para cooperar com Meloni?