Ecofin mais perto do consenso para reforma fiscal na União Europeia

Ecofin reuniu-se em Santiago de Compostela, Espanha
Ecofin reuniu-se em Santiago de Compostela, Espanha Direitos de autor MIGUEL RIOPA/AFP or licensors
De  Euronews com LUSA
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Ministros das Finanças dos 27 estiveram reunidos em Santigo de Compostela, Espanha.

PUBLICIDADE

O Conselho de ministros das Finanças da União Europeia (Ecofin) apoiou, este sábado, em Santiago de Compostela, Espanha, um calendário favorável à reforma das regras fiscais do bloco até ao final do ano. 

A iniciativa surge numa altura em que os Estados-membros procuram o equilíbrio entre os cortes na dívida e o investimento de uma forma individual mas igualitária.

Nas palavras do Vice-Presidente Executivo da Comissão Europeia, Valdis Dombrovskis, "esta situação levou a uma reavaliação da forma de manter a abertura tradicional da UE, reforçando simultaneamente a nossa resiliência económica e a nossa posição no mercado mundial e mantendo-nos competitivos.

Já a  ministra espanhola da Economia, Nadia Calviño, revelou que o Ecofin foi uma "reunião com muito sucesso", onde, "70% do texto do novo regulamento está mais ou menos acordado". 

Com grande parte do texto do novo regulamento a reunir consenso no Ecofin, é esperado que a reforma do Pacto de Estabilidade seja acelerada nas próximas semanas. O objetivo, acrescentou Calviño, será chegar "a um consenso político até outubro".

As regras orçamentais da União Europeia (UE) estão na base do valor do euro usado nos 20 países aderentes e estabelecem um limite para o défice orçamental de 3% do PIB, bem como um limite de 60% do Produto Interno Bruto para a dívida pública.

No entanto, estas linhas ultrapassadas com a resposta à pandemia de covid-19 e a subida dos preços da energia, levando a Comissão e os governos da UE a debater alterações ao quadro, tendo em conta as grandes diferenças nos níveis de dívida e no crescimento económico entre os Estados-membros, garantindo simultaneamente a igualdade de tratamento.

Ecofin assume perda de poder de compra

O Ecofin assumiu que o crescimento dos salários em 2022 ficou “bastante abaixo da inflação” e que deverá voltar a ficar aquém da subida dos preços em 2023, tendo em conta o contexto de elevada inflação na zona euro.

Numa recomendação a ser submetida ao Conselho Europeu, os 27 acordaram que os Estados-membros devem “apoiar uma evolução salarial que atenue a perda de poder de compra dos trabalhadores”.

O Ecofin também assumiu que o crescimento dos salários em 2022 ficou “bastante abaixo da inflação” e que deverá voltar a ficar aquém da subida dos preços em 2023. Como tal, os Estados-membros concluem ser necessário “apoiar uma evolução salarial que atenue a perda de poder de compra dos trabalhadores”.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Reforço do orçamento da UE será difícil batalha política

Comissão Europeia pede reforço do orçamento até 2027

Guerra na Europa faz disparar orçamentos militares