EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Prevenção de incêndios florestais: como é que a Europa planeia lidar com os incêndios nos próximos anos

Um avião de combate a incêndios pulveriza água para extinguir um incêndio florestal na ilha de Ciovo, na Croácia, quinta-feira, 27 de julho de 2023.
Um avião de combate a incêndios pulveriza água para extinguir um incêndio florestal na ilha de Ciovo, na Croácia, quinta-feira, 27 de julho de 2023. Direitos de autor AP Photo
Direitos de autor AP Photo
De  Rebekah Daunt
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

Os cientistas estão a prever incêndios florestais de maior duração nos próximos anos. Com a Grécia e a Itália a baterem novos recordes, será que a Europa precisa de uma nova estratégia?

PUBLICIDADE

Este ano, os incêndios florestais em toda a União Europeia já devastaram cerca de 260 mil hectares de terreno, danificando infraestruturas, obrigando a evacuações e deslocando milhares de pessoas.

O calor extremo e a fraca precipitação na bacia do Mediterrâneo tornaram particularmente vulneráveis países como Itália, Espanha, Croácia, Tunísia e Argélia, onde existe muita vegetação seca.

Os bombeiros gregos anunciaram recentemente que estavam a começar a conter a propagação dos incêndios de julho, mas a época dos incêndios florestais está longe de ter terminado e os cientistas alertam para o facto de os incêndios florestais se tornarem mais frequentes à medida que o aquecimento global se agrava.

O que dizem os peritos?

De acordo com o Sistema Europeu de Informação sobre Incêndios Florestais, o número de hectares destruídos pelos recentes incêndios na Grécia já ultrapassou a média anual calculada entre 2006 e 2022.

Estes incêndios representam uma ameaça não só para os ecossistemas europeus, mas também para a vida humana. Domingos Viegas, professor de Engenharia Mecânica na Universidade de Coimbra, em Portugal, e coordenador do FirEUrisk, disse à Euronews que cada vez mais civis estão a morrer devido aos incêndios florestais e à inalação de fumo associada.

O FirEUrisk juntou investigadores e decisores políticos de 38 organizações internacionais numa tentativa de mitigar o risco de incêndios florestais em toda a Europa.

"Em Portugal, o número de vítimas civis tem aumentado, ultrapassando o número de bombeiros mortos. Portanto, isto é um problema", afirmou Viegas.

Armando Franca/Copyright 2017 The AP. All rights reserved.
FILE - Villagers watch a firefighting plane drop water to stop a raging forest fire from reaching their homes in Chao de Codes, central Portugal, Aug. 2017.Armando Franca/Copyright 2017 The AP. All rights reserved.

Em junho de 2017, pelo menos 66 pessoas morreram e 250 ficaram feridas na sequência de incêndios florestais que queimaram 24 mil hectares de terreno na região montanhosa de Pedrógão Grande, no centro de Portugal. Dezenas de pessoas morreram quando tentavam escapar às chamas nos seus automóveis.

Apesar das lições aprendidas em Portugal, os incêndios florestais ocorridos este ano no sul da Europa têm-se revelado mortíferos, tendo morrido pelo menos 40 pessoas em toda a região mediterrânica até à data.

As vítimas civis, e os danos consideráveis em infraestruturas críticas e na indústria do turismo levaram Bruxelas a apresentar rapidamente soluções proativas.

Lindon Pronto, perito sénior do Instituto Europeu das Florestas, explicou por que razão os incêndios florestais são cada vez mais frequentes: "O comportamento dos incêndios é determinado por três fatores. Um deles é a topografia, o outro é o clima e o terceiro é o combustível disponível. Tradicionalmente, o material queimável era a vegetação, mas atualmente as infraestruturas servem de combustível".

O que está a Europa a fazer para mitigar o risco de incêndios florestais?

Embora a Comissão Europeia tenha anunciado na semana passada que iria adquirir uma frota de jatos "Canadair" para aumentar a capacidade de combate a incêndios na Europa, estes aviões só estarão prontos em 2027.

"Não podemos continuar a atirar dinheiro para cima do problema", disse Lindon Pronto, especialista sénior do Instituto Europeu das Florestas, à Euronews.

"Temos de trabalhar a partir do zero para aumentar a consciencialização, temos de tratar a paisagem para que seja menos inflamável. Temos de educar as pessoas e criar mais cadeias de valor ao nível da paisagem para que não haja esta acumulação de combustível quando há um comportamento extremo de fogo, que é exacerbado pelas alterações climáticas".

O projeto FirEUrisk realizou uma série de testes nos chamados sítios-piloto para compreender melhor como conter a propagação dos incêndios florestais.

A iniciativa cartografou cada quilómetro quadrado da Europa com base no clima, na paisagem e nas atividades socioeconómicas, a fim de preparar os civis e os órgãos de governo para o futuro.

Modelação do combustível

O levantamento da vegetação foi uma parte importante deste processo, explicou Viegas, uma vez que as árvores altamente inflamáveis, em especial as variedades de eucalipto e pinheiro, apoiam fortemente a propagação dos incêndios e comprometem a eficácia de menos barreiras ao combustível. As turfeiras são também um problema, uma vez que os incêndios geram muito fumo e podem arder durante dias, semanas ou mesmo meses se não forem vigiados.

37,7% da superfície terrestre da UE é constituída por florestas, muitas das quais contêm árvores altamente inflamáveis. Assim, como é que os países densamente arborizados podem reduzir o risco de incêndios florestais? A chave é garantir que os incêndios permaneçam no solo da floresta e não entrem na copa da área arborizada, onde será mais difícil de controlar, explicou Pronto.

PUBLICIDADE

"A curto prazo, as autoridades podem criar corta-fogos, zonas tampão, plantar diferentes tipos de árvores e criar lagos. Há todo o tipo de táticas e estratégias diferentes e também contextos diferentes. Os plantadores podem também afastar-se destas monoculturas muito inflamáveis a que assistimos em locais como Portugal, mas essa é a estratégia a longo prazo, pois mudar toda a composição de uma floresta a nível paisagístico demora décadas", afirmou.

Embora alguns países da UE, como Portugal, tenham desenvolvido estratégias para gerir os incêndios florestais, alguns Estados-Membros, especialmente no norte do bloco europeu, não dispõem de diretrizes.

Juntamente com as agências governamentais, a FirEUrisk está a estudar os efeitos de incêndios anteriores e a promover alterações políticas para ajudar a evitar a deflagração de incêndios florestais.

"Sabemos que, na Europa, a maioria dos incêndios é causada pela ação humana, mas alguns são também naturais... por isso, estamos a analisar os elementos, por exemplo, as casas, as infraestruturas, a natureza e, claro, o valor ecológico da natureza e a forma como está exposta ao fogo", disse Viegas.

Então, o que é que os civis, especialmente no sul da Europa, podem fazer para se protegerem?

PUBLICIDADE

Mudança a nível das bases

Segundo Viegas, há três coisas que os civis que vivem perto de arbustos secos podem fazer para proteger as suas casas e vidas.

Petros Giannakouris/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
Locals try to extinguish a wildfire burning in Gennadi village, on the Aegean Sea island of Rhodes, southeastern Greece, on July 25, 2023.Petros Giannakouris/Copyright 2023 The AP. All rights reserved

1.Limpar a vegetação à volta da casa ajudará a limitar o combustível disponível para um incêndio que se aproxima: "Não estou a dizer que não se pode ter plantas, mas é preciso manter alguma distância entre a casa e um incêndio que se aproxima.

"É preciso manter a carga de combustível baixa, porque, caso contrário, a casa, mesmo que seja feita de tijolo, pode estar em perigo... e pode arder. Portanto, esta é a primeira prioridade, garantir a probabilidade de as pessoas sobreviverem", disse Viegas.

2. No sul da Europa, não apoiamos as retiradas em massa como na América do Norte, porque em certos países há casas espalhadas por todo o lado", disse o professor.

As retiradas, sobretudo de idosos, turistas, crianças e outros grupos vulneráveis, devem ser efetuadas com horas de antecedência. Viegas advertiu que as pessoas não devem fugir à última hora, pois ficarão expostas a temperaturas extremas, grandes quantidades de fumo e terão pouca ou nenhuma proteção contra as chamas.

PUBLICIDADE

"A pior coisa que se pode fazer é fugir de carro ou a pé, porque não se tem defesa".

"As casas de tijolo e de pedra, em princípio, oferecem um bom abrigo. Além disso, se um incêndio produz brasas que caem em casa, é mais fácil suprimir algumas faíscas do que lidar com um inferno mais tarde", disse Viegas.

3.Os incêndios planeados não só ajudam a evitar a acumulação de ervas daninhas e detritos, como também melhoram a biodiversidade e garantem ecossistemas saudáveis. As queimadas programadas podem ajudar os agricultores a gerir a propagação de parasitas e a reduzir a biomassa de espécies invasoras.

As cinzas das brasas também promovem o crescimento de certas plantas e ajudam a aumentar os níveis de pH e de nutrientes no solo. Mas qualquer queimada planeada para fins agrícolas tem de ser bem gerida e efetuada em condições adequadas, como sublinhou Viegas. O responsável máximo pela crise climática na Grécia afirmou na sexta-feira que 667 incêndios recentes em todo o país foram causados pela atividade humana.

"Durante muitos anos, o fogo foi visto como uma coisa má. Por isso, foi suprimido. As pessoas começaram a excluir o fogo da paisagem. Mas é necessário trazer o fogo de volta e é também necessário para alguns processos ecológicos... se não o usarmos, teremos de nos preparar para problemas maiores, especialmente em países onde a vegetação cresce muito rapidamente, como no sul da Europa, onde não há meios para remover as ervas daninhas mecanicamente ou à mão".

PUBLICIDADE

Com a previsão de mais vagas de calor para o mês de agosto, os bombeiros da Grécia, Itália e dos países mais afetados do sul da Europa foram avisados para se manterem em alerta máximo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Cidadãos suecos libertados pelo Irão reencontram as suas famílias em Estocolmo

Segurança nuclear e alimentar na agenda do segundo dia da cimeira de paz na Ucrânia

Troca de prisioneiros entre o Irão e a Suécia: Hamid Nouri libertado