EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Borrell: Guerra na Ucrânia "acelerou processo de alargamento" da UE

Josep Borrell, chefe da diplomacia da UE
Josep Borrell, chefe da diplomacia da UE Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  Efi KoutsokostaIsabel Marques da Silva
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

É preciso definir um "horizonte" para o alargamento da União Europeia (UE) à Ucrânia e aos Balcãs Ocidentais, a fim de mobilizar "energias", disse o chefe da diplomacia da UE, Josep Borrell, quinta-feira, em Toledo.

PUBLICIDADE

"Penso que a guerra na Ucrânia teve um efeito colateral que é o de acelerar o processo de alargamento, que é certamente um processo baseado no mérito. Mas, ao mesmo tempo, penso que é bom fixar uma meta  política, um horizonte, para dar um impulso político ao processo", disse Josep Borrell, na reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros do bloco, onde esteve o homólogo da Ucrânia.

"E também para nós, porque sim, também nós temos de estar preparados para um alargamento que poderá levar mais dez membros para a União Europeia", acrescentou o chefe da diplomacia da UE.

Tal como o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, o diplomata também não deu uma data precisa.

Mas no ar continuam as tres questões que Charles Michel disse necessitarem de reflexao para fazer as reformas antes do alargamento. 

São elas: o que queremos fazer em conjunto? Como o fazemos? Como o pagamos?.

Mas ainda não é claro como a UE planeia fazê-lo, porque existem muitas questões sobre a tomada de decisões na UE, sobre como recalibrar diferentes programas, por exemplo, o da agricultura, sendo a Ucrânia um grande país agrícola.
Mathieu Droin
Analista, Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais

"Os Estados-membros estão a começar a aperceber-se e a lidar com a realidade do que implica a reforma, o que irá mudar para eles próprios, como beneficiarão e como terão de contribuir para a UE", concorda Mathieu Droin, analista em geoestratégia do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais, em declarações à euronews.

"A primeira questão é a forma como a Ucrânia é capaz de se reformar a si própria. O que vemos é que os ucranianos estão verdadeiramente empenhados e que trabalharam imenso no espaço de um ano, o que é bastante impressionante. Mas ainda não é claro como a UE planeia fazê-lo, porque existem muitas questões sobre a tomada de decisões na UE, sobre como recalibrar diferentes programas, como por exemplo, o da agricultura, sendo a Ucrânia um grande país agrícola", acrescentou o analista.

A cimeira extraordinária informal dos chefes de Estado e de governo da UE, que se realizará em outubro, na cidade espanhola de Granada, será um importante ponto de partida para este debate, que poderá concluir-se até ao final do ano.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

A UE diz que tem de se alargar. Mas porque é que parou?

Presidente da Argentina recebe medalha de ouro em Madrid, sem direito a honras de Estado

Barcelona vai acabar com o Alojamento Local. Em Portugal, medidas do “Mais Habitação” são revogadas