EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Ministros da UE analisam como travar ataques terroristas de "lobos solitários"

Polícia acabaria por atingir mortalmente o homem que matou duas pessoas e feriu uma terceira, em Bruxelas, a 16 de outubro
Polícia acabaria por atingir mortalmente o homem que matou duas pessoas e feriu uma terceira, em Bruxelas, a 16 de outubro Direitos de autor Sylvain Plazy/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Sylvain Plazy/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Sandor ZsirosIsabel Marques da Silva com EFE
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O Conselho de Justiça e Assuntos Internos da União Europeia (UE) debateu, quinta-feira, no Luxemburgo, o que fazer para evitar novos ataques terroristas pelos chamados "lobos solitários", como aconteceu este mês, em França e na Bélgica.

PUBLICIDADE

Os ministros avaliaram como melhorar a troca de informações, o supervisão de conteúdos perigosos na Internet e a capacidade de expulsão do território de pessoas a quem foi negado asilo, como é o caso do tunisino que matou duas pessoas e feriu uma terceira, de nacionalidade sueca, em Bruxelas.

A UE tem estado a rever o chamado Regulamento de Dublin, que rege os pedidos de asilo, e o ministro sueco, Gunnar Strommer, recordou que o atacante era conhecido do sistema e tinha cometido crimes.

"O indivíduo que cometeu os crimes terroristas na Bélgica, na segunda-feira à noite, foi deportado da Suécia em 2010, no âmbito do processo de Dublin. Desde então, tem sido capaz de aparecer em diferentes países da União Europeia. Isso também sublinha a necessidade de reforçar o sistema de Dublin, o controlo das fronteiras, o sistema de regresso eficiente e a partilha de informações entre os nossos países membros", disse o governante.

Os ministros debateram, também, a necessidade de combater a radicalização expressa via sites na Internet e nas redes sociais, que desempenhou um papel nos dois recentes ataques.

É necessária uma cooperação entre os serviços de segurança e de polícia europeus mesmo que isso implique renunciar a uma parte da nossa autonomia.
Annelies Verlinden
Ministra do Interior, Bélgica

A ministra da Alemanha, Nancy Faeser, disse que a Internet é uma área que "se tornou mais perigosa" na disseminação do "ódio" e da "radicalização".

É crucial, ainda, fazer maior intercâmbio de informações entre os Estados-membros, alegou a governante belga,  Annelies Verlinden.

"É necessária uma cooperação entre os serviços de segurança e de polícia europeus, mesmo que isso implique renunciar a uma parte da nossa autonomia", afirmou Verlinden, que reconheceu que a Bélgica não sabia que o atacante tunisino tinha estado preso na Suécia.

Repatriamento já aumento em 20%

O reforço de controlos nas fronteiras externas é outra prioridade, e a comissária europeia com esta pasta, Ylva Johansson, também quer acelerar o repatriamento de quem não reúne critérios para receber permissão de residência.

"Fizemos muito, por isso já este ano assistimos a um aumento de 20% dos repatriados, pelo que, na verdade, hoje em dia, há mais pessoas a regressar à origem", explicou a comissária europeia.

"Mas ainda é preciso fazer mais. E é especialmente importante para mim que aqueles que podem causar uma ameaça à segurança dos nossos cidadãos sejam repatriados à força imediatamente", acrescentou Johansson.

Devido receios de possível aumento de atos terroristas, a Itália e a Eslovénia anunciaram que vão introduzir controlos nas suas fronteiras terrestres. Esta medida vem juntar-se às numerosas excepções ao Acordo de Schengen (livre circulação de pessoas) aplicadas por outros Estados-membros, nomeadamente pela Áustria, Alemanha, Chéquia , Eslováquia e Hungria.

Os ministros continuam a debater a possível adesão a esse espaço da Roménia e da Bulgária, até ao final do ano, apesar da Áustria exigir que se reveja o sistema antes de proceder a esse alargamento.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Bélgica e Suécia unidas contra o terrorismo

França afasta ameaça de terrorismo antissemita e Alemanha interdita Hamas

Resistência à exigência de paridade nos candidatos à Comissão Europeia