Prémio Sakharov 2023 para Mahsa Amini e o Movimento "Mulheres, Vida e Liberdade" no Irão

Manifestantes lutam pela liberdade das mulheres no Irão, após a morte de Mahsa Amini
Manifestantes lutam pela liberdade das mulheres no Irão, após a morte de Mahsa Amini Direitos de autor Hawre Khalid/AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Parlamento Europeu galardoa de forma póstuma a jovem iraniana Mahsa Amini

PUBLICIDADE

O Parlamento Europeu atribuiu o Prémio Sakharov a Jina Masha Amini, a jovem curdo-iraniana morta a 16 de setembro do ano passado, após ter sido detida pela polícia de costumes do Irão, por usar incorretamente o véu islâmico.

Através da mais alta distinção na área dos direitos humanos, A União Europeia reconhece também a luta de milhares de iranianos, em particular mulheres e jovens, que durante meses desafiaram o regime iraniano e deram voz ao movimento social "Mulheres, Vida, Liberdade"

"O assassinato brutal de Mahsa Amini tornou-se um ponto de viragem. Activou um movimento liderado por mulheres que se está a revelar histórico. O mundo ouviu o grito de 'Mulheres, Vida e Liberdade', que se tornou um lema para aqueles que defendem a igualdade, a dignidade e a liberdade no Irão", disse a Presidente do Parlamento Europeu, Roberta Metsola, em plenário.

A cerimónia oficial de entrega do galardão tem lugar em dezembro, no hemiciclo do Parlamento Europeu em Estrasburgo. 

O prémio, atualmente no valor de 50 mil euros, reconhece todos os anos, desde 1988, pessoas ou organizações que defendem os direitos humanos e as liberdades fundamentais.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Estudante iraniana Armita Garawand morre após quatro semanas em coma

Cimeira: UE avisa China que "não tolerará" concorrência desleal

Impasse nas negociações sobre Lei da Inteligência Artificial da UE