EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Prevenir a próxima pandemia: um projeto da UE para a investigação de doenças infecciosas

Em parceria com The European Commission
Prevenir a próxima pandemia: um projeto da UE para a investigação de doenças infecciosas
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Aurora Velez
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Neste episódio de Smart Regions, descobrimos como o projeto europeu PerForM-REACT está a ajudar dois institutos de investigação alemães a compreender melhor as doenças infecciosas e a combatê-las de forma mais eficaz.

A pandemia de COVID parece estar muito longe, mas o vírus ainda está entre nós. Qual será a próxima pandemia? Como é que podemos estar preparados para lidar com ela de forma mais eficaz?

Um projeto europeu dedica-se a estas questões. Dois institutos de investigação, em Munique e Augsburgo, na Alemanha, equiparam-se com tecnologia de ponta para compreender o funcionamento dos vírus.

Claudia Traidl-Hoffmann, diretora do Instituto de Medicina Ambiental da Universidade de Augsburgo, não tem dúvidas de que vai chegar outra pandemia. "E será, muito provavelmente, outra que se transmite por aerossóis. E o que tentamos agora é criar sentinelas, para compreender como as partículas de vírus se dispersam nas salas, nos aviões, nos autocarros. Na próxima pandemia, não queremos suspender a vida. A vida deve continuar", afirmou. 

Claudia Traidl-Hoffmann
Claudia Traidl-HoffmannEuronews

Deteção precoce da progressão da doença

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, a COVID 19 causou mais de 6,9 milhões de mortes e infetou mais de 771 milhões de pessoas em todo o mundo. O Instituto de Medicina Ambiental do Centro Helmholtz de Munique adquiriu equipamento de alta tecnologia graças ao projeto europeu "PerForM-REACT". O principal objetivo é a deteção precoce da progressão da doença.

Gregor Ebert, diretor do Laboratório BSL-3 e Líder de Grupo, explica o trabalho que é feito no instituto. 

"Há certos grupos de vírus, como os coronavírus ou os flavivírus, que são objeto de uma vigilância muito rigorosa, e dispomos agora dos instrumentos e também das plataformas de comunicação para estarmos mais bem preparados e atentos aos sinais de alarme que possam soar", revelou. 

O instituto dispõe de um laboratório de biossegurança de nível 3 com fechaduras de entrada seladas, salas de pressão negativa, e um sistema térmico de inativação de vírus.

Gregor Ebert
Gregor EbertEuronews

Prever se uma infeção será grave

Os resultados da investigação são partilhados com o laboratório da Universidade Clínica de Augsburgo, que está associado ao projeto. Ali, estão a estudar as interações entre diferentes vírus e o efeito das alterações climáticas, do pólen ou da poluição na sua propagação.

O orçamento total para este projeto, que abrange os dois estudos, é de 18,5 milhões de euros. O PerForM-REACT foi totalmente financiado pela política de coesão da União Europeia.

Corinna Holetschech
Corinna HoletschechEuronews

A investigação está a progredir a passos largos. Os investigadores trabalham com um robô que consegue prever se uma infeção será grave ou não, mesmo num doente positivo mas assintomático.

"Com isto, podemos prever o curso da infeção. Por isso, esperamos que, no futuro, se for a um centro de testes e obtiver um teste positivo, já possa obter este teste e, em seguida, ser imediatamente encaminhado para um médico ou para o hospital, para ser monitorizado, para evitar uma evolução grave", explicou Corinna Holetschech, estudante de doutoramento.

Partilhe esta notícia

Notícias relacionadas

Cidade húngara de Szeged implementa maior sistema geotérmico da UE

Chéquia com número recorde de casos de tosse convulsa